Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Trem Rápido Brasileiro

2 de Janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Intercâmbios | Tags: , , , , ,

O Japão foi o primeiro país que lançou o sistema de trem rápido, em 1964, chamado de Shinkansen (nova linha de trem), entre Tóquio e Osaka, uma distância equivalente a São Paulo e Rio de Janeiro. Hoje, o sistema atende o Japão, praticamente, de norte a sul, com novas tecnologias constantemente desenvolvidas. E os japoneses se orgulham que nunca houve um acidente de monta, considerando-o tecnologicamente mais avançado do mundo, ainda que custoso. Além de atender regiões planas, o seu sistema de tração nos próprios vagões permite o desmembramento de um trem em diversos trechos, e diferentes áreas, até para as montanhosas.

A França lançou depois o seu TGV, começando por ligar Paris a Lion, e atualmente suas linhas atendem as principais regiões do país, chegando ao exterior. Chega a ser mais rápido que o japonês, mas por ser de bitola mais estreita, tem menor estabilidade. A Alemanha desenvolveu o seu sistema, como a Espanha. E, recentemente, a China inaugurou a sua primeira linha entre Guanzhou e Wuhan, com mais de 1.000 quilômetros, com passagem de primeira classe em torno de US$ 100, mais barata que as aéreas.

O plano chinês é extremamente ousado e até 2012 pretende contar com mais de 12.000 quilômetros de trem rápido, com velocidades superiores aos demais existentes no mundo. Em 10 anos pretendem chegar a 16.000 quilômetros.

Já existem trens rápidos também na Coréia e em Taiwan, este com tecnologia japonesa. Tudo isto leva a crer que a competição para a próxima concorrência brasileira, prevista para o primeiro semestre de 2010, será acirrada, pois o edital estabelece que se considerará a tarifa mais baixa. Parece que os chineses estão dispensando financiamentos locais, como o do BNDES, ainda que parte dos custos de infraestrutura seja arcada pelo governo, como no sistema de parceria público privado, já vigente no sistema metropolitano de São Paulo.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: