Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Mostra de Gravuras no Solo Sagrado

31 de agosto de 2010
Por: Kazuhiro Kurita | Seção: Notícias | Tags:

A gravadora Marly Calilo apresenta as séries “Cotidiano” e “Bicicletas” no Centro Cultural do Solo Sagrado de Guarapiranga da Fundação Mokiti Okada (FMO). A mostra reunirá 12 obras da artista, que recorreu às memórias de quando residiu na Itália por dois anos e às sensações presentes no seu dia-a-dia.

Esta exposição inaugura uma nova fase da gravadora, depois de um longo período de reclusão. O crítico de arte, escritor e curador Carlos Von Schmidt, falecido em fevereiro deste ano, teve contato com os trabalhos de Calilo há 10 anos. “É uma das melhores gravadoras do País”, declarou ele, que foi curador 15ª Bienal de São Paulo em 1979 e curador internacional da 20ª edição do evento em 1989.

gravura gravura_hor

Segundo a gravadora, nestas séries sua busca não se prende apenas às gravações. “Acrescento ao processo gráfico a interferência de objetos dos quais me aproprio, coisas presentes no cotidiano e que muitas vezes nos passam despercebidas e que, com uma simples mudança no olhar, podemos lhes agregar uma nova leitura, a estética”, explica.

Algumas matrizes de “Bicicletas” começaram a ser gravadas em 1989, sendo exploradas e incorporadas quando necessárias. Esta série nasceu de uma viagem de estudos para a Itália, quando as bicicletas passaram a fazer parte do dia-a-dia da artista como meio de transporte. “Foi quando comecei a perceber, através de uma sensação agradável, que muitas coisas cotidianas poderiam ter o sabor de uma grande brincadeira. Deixei me envolver por seu encantamento, onde existe a relação de brincadeira, infância e memória”.

O cotidiano, por sua vez, a fez refletir e questionar sobre uma condição feminina. “No dia-a-dia, coisas como os afazeres domésticos nos levam muitas vezes a um alto nível de estresse e inconformismo, com trabalhos diários infindáveis e não valorizados. Em uma tentativa de conciliar tudo isto com os objetivos profissionais e pessoais, fui levada a buscar uma forma de tirar algum proveito das coisas que nos são impingidas, assim como no caso das bicicletas, buscando um certo encantamento”, afirma Calilo.

Foi quando ela começou a procurar todo tipo de marcas em objetos como, por exemplo, uma tábua de cortar carne, ou uma assadeira, um talher, em latas ou mesmo no fundo de uma panela queimada. “Estas marcas, produzidas ao longo dos anos, carregam história e elementos que comecei a adicionar às gravuras, muitas vezes entendendo que elas fazem parte da minha história e de pessoas que estão ao meu redor, me levando de certa maneira a uma pesquisa e pensamento contínuo”, finaliza.

A mostra pode ser visitada de quarta a domingo, das 9 às 17h. A entrada é franca. De 1º de setembroa 21 de novembro. Centro Cultural do Solo Sagrado de Guarapiranga. Estrada do Jaceguai, 6567, Jardim Casa Grande, Parelheiros. Telefone 5970-1000. www.fmo.org.br



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: