Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Tecnologia da Construção Civil na China

25 de fevereiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais | Tags: , | 9 Comentários »

Muitos imaginam que o rápido desenvolvimento da construção civil na China decorreu da mão de obra barata. No entanto, um importante artigo do dr. Jaroslav Boublike, constante do site do Gizmeg Emerging Technology Magazine, mostra que as Olimpíadas e a recente Exposição Internacional 2010 em Xangai provocou um desenvolvimento tecnológico apreciável na construção civil daquele país.

Vendo o volume das obras em andamento na China, tanto na infraestrutura como nas construções de habitações, edifícios comerciais e tudo o mais que se necessita num país em rápido desenvolvimento, nota-se um substancial incremento na sua tecnologia, que hoje se compara com as melhores do mundo, onde os operários migrantes do meio rural necessitam de capacitação que não existe em outros países emergentes, inclusive o Brasil.

arkhotelchangsha

Prédio construído em seis dias

Veja também os vídeos

 

No Brasil, muito se utilizou a mão de obra dos migrantes das regiões mais desfavorecidas, que resultaram em técnicas de construção civil extremamente defasada com o que ocorre em outros países do mesmo nível de desenvolvimento. Poucos são os materiais pré-fabricados utilizados, como banheiros completos, cozinhas completas, que são simplesmente montadas nas estruturas pré-fabricadas sobre alicerces.

Verifica-se que na China estas construções são resistentes aos terremotos intensos e a rapidez da montagem destes edifícios pode ser utilizada para atender as atuais necessidades das próximas Olimpíadas e Copa do Mundo, além das indispensáveis para atender o atual desenvolvimento que continua elevado, ainda que não chegue aos padrões chineses ou hindus.

No Brasil, utilizam-se poucas estruturas pré-fabricadas, quer sejam de aço como de concreto. As paredes pré-fabricadas não chegam a se comparar com os banheiros completos ou cozinhas que são amplamente utilizadas. Utiliza-se muito tempo para o planejamento e pouco tempo para a execução, com os prédios ficando prontos em poucos dias após o início da sua montagem.

Evidentemente, os equipamentos utilizados, como os guindastes, são em número totalmente diferente, bem como outros utilizados na construção civil. Como não se dispõe de mão de obra barata, também no Brasil, haverá certamente um desenvolvimento da indústria de material pré-fabricado, e as empresas de engenharia terão que acostumar os consumidores a um planejamento que não exagere na individualização, ou alterações dos projetos durante a construção.

Há muito que se aprender da experiência chinesa, inclusive na economia de energia e outros elementos que contribuem para degradar o meio ambiente, pois a consciência da necessidade de sua preservação está se elevando.

Espera-se que as empresas de construção civil, inclusive as pesadas, absorvam rapidamente estas tecnologias, pois o tempo disponível para os compromissos assumidos são curtos e os recursos disponíveis precisam ser economizados. Espera-se que a infraestrutura brasileira chega aos custos internacionais, pois estão exageradamente custosas.


9 Comentários para “Tecnologia da Construção Civil na China”

  1. Alvimar Campos
    1  escreveu às 14:41 em 3 de agosto de 2011:

    isso é que é planejamento levado á sério!

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 18:47 em 3 de agosto de 2011:

    Caro Alvimar Campos,

    Eles vieram construindo muito no passado recente, e isto promove a melhoria de sua tecnologia nesta área.

    Paulo Yokota

  3. FRANCISCO CARLOS FREIRE
    3  escreveu às 10:04 em 2 de março de 2012:

    É impressionante que a construção civil no Brasil, apesar da grande carência de residências, não chegou nem perto da tecnologia utilizada nos países adiantados.
    Estrutura metálica e pré fabricados, ainda é uma raridade por aqui, consequentemente a indústria do desperdício impera, tornando os preços inacessíveis à maioria da classe média.
    Será apenas uma questão de mentalidade ou faz parte de um grande plano maldito, onde tudo neste país tem que ser mais caro que no resto do mundo, afinal, “o brasileiro paga mesmo…”, esta política veio das montadoras de automóveis e o governo, que deveria correr na defesa do cidadão, apenas se omite, contando com os impostos gerados em benefício próprio. ÊTA BRASIL !

  4. Paulo Yokota
    4  escreveu às 15:27 em 2 de março de 2012:

    Caro Francisco Carlos Freite,

    Sem desejar justificar, pois não sou do setor, as informações até recentemente é que a mão de obra de baixa qualificação no Brasil era relativamente barata. Agora está subindo, e mais materiais pré-fabricados serão utilizados, mas exigem custos mais elevados de elaboração do projeto, pois não podem ser alterados no curso da construção como desejam muitos compradores. Pode estar certo que o Brasil está melhorando, mas sempre existem coisas que podemos continuar aperfeiçoando, aprendendo do exterior.

    Paulo Yokota

  5. China X Brasil - gol, seleção | Engenharia é:
    5  escreveu às 17:10 em 5 de fevereiro de 2013:

    [...] Asiacomentada , [...]

  6. Paulo Yokota
    6  escreveu às 18:18 em 5 de fevereiro de 2013:

    Obrigado pelo uso do site.

    Paulo Yokota

  7. jeane
    7  escreveu às 23:02 em 16 de janeiro de 2014:

    Maravilhoso, em breve espero uma oportunidade para aprimorar meu conhecimento na engenharia civil, junto a seres tão competentes como os chineses…

  8. Ismael Mateus
    8  escreveu às 22:50 em 26 de novembro de 2014:

    Isto é uma grande informação! E abre caminhos para realização dos seguimentos, mais carentes na realização de suas moradias.

  9. Paulo Yokota
    9  escreveu às 08:36 em 27 de novembro de 2014:

    Caro Ismael Mateus,

    O que parece estar acontecendo mais recentemente é que a construção civil está melhorando de tecnologia em todo o mundo, pois sem uma maior eficiência ela não é mais competitiva. Além de uso intensivo do que já se conhece em outras partes do mundo, na economia globalizada, utiliza-se muitos componentes provenientes de países asiáticos. Também as técnicas de sustentabilidade, como economia de energia, água etc. tornam indispensáveis os usos de conhecimentos já acumulados em outros lugares do mundo. Espera-se que a construção civil brasileira acelere estes usos de novas tecnologias, inclusive em infraestrutura que exigem construções pesadas.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: