Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Multinancionais de Países Emergentes

8 de março de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais | Tags: , , | 2 Comentários »

A revista The Economist publica um artigo sobre as novas empresas multinacionais que aparecem no mundo com origem nos países emergentes, mostrando que elas já chamam atenção, tendo características próprias. Segundo o artigo, muitas destas empresas, inclusive brasileiras, reproduzem o que as tradicionais faziam pelo mundo, outras apresentam novidades, mas parece que não cabe uma divisão tão simples, pois elas se expandem por variadas razões, próprias de cada uma delas e suas circunstâncias.

O artigo cita explicitamente algumas da Índia, como a Infosys Technologies e Tata Group, do Brasil, como a Embraer e a Votorantim, da África do Sul, como a MTN de telefones celulares, como o Grupo Slim e Alfa do México, como outras de Hong Kong, Migros da antiga União Sovietica, Koe da Turquia, mas a lista real é interminável. A revista informa que elas estão sendo estudadas pela Harvard Business School assim como a Boston Consulting. The Economist comete o equivoco de supor que elas decorrem, predominantemente, de estímulos oficiais, estando condenadas ao desaparecimento.

vale_do_rio_doceembraerimagesCA2HEM1L

imagesCAWLYJL3imagesCA594T01imagesCAYYMVP2

A lista das brasileiras poderiam ser enriquecidas pela Petrobras, pela Vale, pelas empreiteiras como Odebrecht, pela Ambev, pela JBS, pela Cutrale e outras. O artigo informa que algumas reproduzem as tradicionais como a ITT, mas outras são mais diversificadas, chegando às linhas pouco claras das públicas e privadas. Mas, parecem que os motivos são mais amplos, como no caso das que têm origem no Brasil.

Algumas se espalharam pelo mundo, pois as combinações de atividades internas e externas proporcionam algumas vantagens fiscais, principalmente quando envolvem importações e exportações. Também permitem obter custos financeiros mais baratos em alguns mercados, tirando partido inclusive de paraísos fiscais.

Outras alavancam desenvolvimentos tecnológicos, na medida em que a concorrência no exterior exige delas absorções de inovações que de outra forma chegariam mais demoradamente no país de origem. Mas as razões importantes parecem ser a economia de escala obtida pela atuação internacional em muitos países, bem como a economia de aglomeração, fazendo com que entrem também em setores correlatos para melhor aproveitá-las. Como bases, possuem tecnologias próprias desenvolvidas no país de origem que as tornam competitivas com as tradicionais do mundo industrializado.

Acabam sendo empresas multinacionais que atuam em variados setores, como o Grupo Tata da Índia, tornando-se competitivas com outras tradicionais de origem nos países desenvolvidos. Por serem menos conservadoras, mais arrojadas e criativas, absorvem recursos humanos capazes de diversas origens que lhes permitem maiores competitividades. Algumas dependem de estímulos oficiais dos seus países de origem, mas hoje parecem em menor número.

Portanto, o artigo do The Economist parece influenciado por um preconceito de uma antiga potência internacional que está perdendo espaço relativo no atual mundo globalizado.


2 Comentários para “Multinancionais de Países Emergentes”

  1. Economist | Resource | global warming | nuclear war 2012
    1  escreveu às 10:41 em 11 de março de 2011:

    […] , USA Related to this you can read: http://www.asiacomentada.com.br/2011/03/multinancionais-de-pases-emergentes/ […]

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 15:15 em 11 de março de 2011:

    Thank you very much for your reference.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: