Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Dicas Haruki Murakami Para Manter Charme Jovial

22 de junho de 2012
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos, webtown | Tags: , | 13 Comentários »

Conversava-se de tudo no site de diálogo com leitores que o escritor Haruki Murakami manteve entre 1996 e 1999: ele respondia com verve e dicas espirituosas às perguntas pertinentes e impertinentes de seus fãs. Em 2000, a editora Asahi Shimbun-sha, Tóquio, compilou saboroso livrinho selecionando 282 perguntas dentre os mais de 6.000 e-mails enviados por internautas: Souda, Murakami-san ni kiite miyou (É isso, vou perguntar pro Murakami-san). Entre outros assuntos, pondera o escritor que, próximo dos quarenta anos, homens japoneses já começam a relaxar, adquirem ares de oji-san, “tiozões” – quando hoje em dia a onda ikemen (pós-metrossexuais) fazem japoneses entre 20 e 35 anos se superproduzirem em salões e terem cabelos, unhas e pele melhor cuidados que mulheres. Vamos às “dicas Murakami-san pra não ficar com jeitão de oji-san”:

1. Shisei tadashikumantenha postura ereta, ande com leveza, não arraste os pés. 2. Comer e mastigar silenciosamente. 3. Não palitar dentes em público, muito menos circular com palito nos cantos da boca. 4. Caprichar na higiene bucal. 5. Alimentar-se saudavelmente, fugir de junk food. 6. Não falar alto nem gargalhar ruidosamente em público quando em grupos. 7. Não dar bandeira fashionexibicionista esbanjando em grifes caros (roupas, objetos pessoais, eletrônicos, carros etc.). 8. Mas aposte nas roupas íntimas: nunca arrematá-las em supermercados nem em liquidações. 9. Seja original, tenha ideias próprias: não fique papagueando opiniões ouvidas de outrem. 10. Assistir ao mínimo de TV, mas ler, e ler muito (jornais, revistas, livros). 11. Guchi o kobosazu: não se fazer de vítima choramingando pelos cantos.

haruki-murakamiP10100701

Escritor Haruki Murakami e Amy Chavez, cronista do The Japan Times).

Amy Chavez, cronista do The Japan Times, professora, residente já há alguns anos no Japão, é observadora atenta e bem-humorada do cotidiano japonês. Convivendo com japonesas de todas as idades, ela também vê aí certo descompasso: aos vinte anos elas correm atrás de mil artimanhas para realçar a juventude, aos trinta recorrem a plásticas; mas aos quarenta já começam a adotar trejeitos e roupas oba-san muki, tiazona-orientados, aos cinquenta viram “vovozonas”, sucumbem ao estilo maria mijona mal-ajambrado imposto desde sempre para idosas. Eis suas dicas para exorcizar “look oba-san precoce (para jovens abaixo dos setenta anos):

12. Não fique namorando objetos recicláveis descartados pelos vizinhos. Só gente velha gosta de coisas velhas. 13. Não alimente gatos pelas ruas: leve bichinhos abandonados ao veterinário, e os encaminhe para correta criação. Ter a casa cheia de gatos malcuidados acrescenta 10 anos à sua idade. 14. Descarte pertences inúteis, não seja uma “empilhadeira” de trastes velhos. Repare: a gente nunca empilha coisas novas no armário. 15. Em vez do velho e bom radio taissô (ginástica rítmica para terceira idade) invista seu tempo em algo mais desafiador e vigoroso. 16. Não deixe os diz-que-diz da comunidade lhe envelhecer indo na onda de que na sua idade não pode tais roupas ou acessórios, tais condutas, tais rugas. Assuma-as, e viva feliz.

Agora, licença para acrescentar minhas modestas dicas:

17. Para eles: saiba beber, e moderadamente. Mas se é fraco para bebidas, não beba. Pra lá de oji-san é falar e agir com arrastada e abominável inconveniência depois de tomar umas e outras. 18. Para elas: sinta-se livre para opinar, não se reprima atrás de timidez ou preconceitos de que mulher não pode, nem esconda a boca com a mão ao rir, falar ou mastigar. Mas ria alto e bom som, franca e aberta, sem medo de ser feliz nem de expor os dentes – para não acabar ficando a bisbilhotar pelas caladas, em baixo astral de oba-san mal resolvida. 19. Por fim, mas não menos importante: não fique divulgando listas de “faça” ou “não faça”, em particular ou on-line, coisa mais tiazona! Mas se V. tiver a sua lista, não se avexe: mande ver, a turma dos tios agradece.


13 Comentários para “Dicas Haruki Murakami Para Manter Charme Jovial”

  1. Ruth Chevalier
    1  escreveu às 16:32 em 22 de junho de 2012:

    A Amy Chavez foi um pouco preconceituosa.

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 10:11 em 23 de junho de 2012:

    Cara Ruth Chevalier,

    Obrigado pelo comentário.

    Paulo Yokota

  3. Rafael Sugano
    3  escreveu às 12:39 em 23 de junho de 2012:

    Engraçado! Muito Bom!

  4. Paulo Yokota
    4  escreveu às 14:38 em 24 de junho de 2012:

    Caro Rafael Sugano,

    Obrigado pelo uso do site.

    Paulo Yokota

  5. Ana Colombo
    5  escreveu às 14:25 em 23 de junho de 2012:

    A Amy Chavez deveria conhecer, também, as mulheres brasileiras. Senhoras de 40, 50, 60 anos querendo parecer que têm 20. Botox, silicone, cirurgia plástica, toneladas de cremes etc. são práticas comuns para muitas de nós, inclusive eu. A vaidade é inerente a todas as mulheres, independentemente da cultura, do país.

  6. naomi
    6  escreveu às 09:07 em 25 de junho de 2012:

    Hooray para Rafael, V. captou o sentido da coisa, bravos.

  7. Paulo Yokota
    7  escreveu às 15:43 em 25 de junho de 2012:

    Cara Naomi,

    Acredito que este Hooray deve ser uma adaptação japonesa do All Right.

    Paulo Yokota

  8. naomi
    8  escreveu às 09:22 em 25 de junho de 2012:

    Queridas Ruth e Ana: acho que nem preconceituosa nem crítica: é com muita simpatia pelas japonesas de 40, 50 e 60 anos que Amy Chavez as exorta a deixarem de se curvar às convenções e dogmas seculares impostas às mulheres de todas as idades, e a se libertarem – como as jovens japonesas de 20, 30 anos hoje em dia – a assumirem o livre arbítrio de usarem a roupa, o maiô, a maquiagem, o creme, a plástica, a conduta, ou as rugas que lhes convierem.
    Para nós de cultura ocidental brasileira liberada (ou para Amy, americana), é difícil aquilatar que aos 40-50 anos mulheres se autoimpõem (por pudor-recato-convenção) não mais expondo braços, colos, ombros, joelhos, canelas: para se protegerem de raios UV, sim, mas também pelo que outros possam falar. Falar o quê? Pergunta my Chavez. Bjs.

  9. Paulo Yokota
    9  escreveu às 15:42 em 25 de junho de 2012:

    Cara Naomi,

    Concordo com todas as suas colocações. Mas, todas elas, parecem-me, estão relacionadas com as culturas e histórias de cada povo, não sendo possível considerar que sejam universais, inclusive os aspectos colocados por Haruki Murakami. A diversidade de comportamento dos povos é que me encanta, e algumas vezes algumas coisas que são considerados hábitos inconvenientes também precisam ser respeitados.

    Paulo Yokota

  10. Demilde
    10  escreveu às 03:14 em 8 de Abril de 2013:

    Amei as dicas! O site de vocês tem fanpage?

  11. Paulo Yokota
    11  escreveu às 10:32 em 8 de Abril de 2013:

    Cara Demilde,

    Obrigado pelo uso do site. Basta V. se inscrever na coluna direita do site, que V. recebe as atualizações.

    Paulo Yokota

  12. Karen
    12  escreveu às 14:53 em 3 de Abril de 2014:

    Nossa, óóótimo o artigo! Adorei, adorei! Vcs enviam por email?

  13. Paulo Yokota
    13  escreveu às 16:05 em 3 de Abril de 2014:

    Cara Karen,

    V. tem a indicação para tanto na página inicial do site.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: