Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Beisebol Brasileiro Fatura Vaga Inédita no Mundial

20 de novembro de 2012
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , , | 6 Comentários »

Como o beisebol ainda é um esporte pouco divulgado no Brasil, a notícia só consta do site de O Estado de S.Paulo. Com uma vitória de 1 a 0 sobre a seleção panamenha, na Cidade do Panamá na segunda-feira, a seleção brasileira conquistou a vaga inédita para o World Classic, uma espécie de campeonato mundial da modalidade. Os favoritos eram os panamenhos, que, além de contarem com a tradição no esporte, jogavam em casa com o suporte de mais de dez mil torcedores.

53528

Jogadores brasileiros comemoram vitória sobre o Panamá. Foto: Carlos Jasso/Reuters

O Brasil conseguiu a terceira vitória consecutiva na eliminatória, cuja final será disputada em San Juan, em Porto Rico. Foi a segunda vitória brasileira sobre os panamenhos, pois ganhou na estreia por 3 a 2. Venceu a Colômbia por 7 a 2. Todos os derrotados possuem maior tradição neste esporte que o Brasil.

Agora, o Brasil disputará no grupo C, com as fortes equipes da Venezuela, República Dominicana e Porto Rico, todas com longas tradições no beisebol que o Brasil.

O Brasil atravessa a melhor fase deste esporte na sua história, e tem como técnico o Barry Laskin, ex-jogador e integrante do Hall da Fama da MLB, a liga norte-americana. A seleção brasileira conta ainda com o Yan Gomes que atua no famoso Toronto Blue Jays, um dos grandes que disputa o campeonato norte-americano.

Foi ele que conseguiu a corrida brasileira na terceira entrada, rebatendo uma bola alta e contando com uma falha dos panamenhos. Segundo a notícia da Agência Estado, o principal herói da partida foi o arremessador Rafael Fernandes, que deixou a partida depois de seis entradas, sem ceder nenhuma corrida. Murilo Gouvêa e Thyago Vieira, depois, garantiram a vitória brasileira.

Para os que não estão familiarizados com o beisebol, adicionamos algumas informações. Este esporte foi introduzido no Brasil pelos imigrantes japoneses, ainda no começo do século XX, que trouxe a sua tradição do Japão.

No entanto, a estatura física dos japoneses nunca favoreceu muito o desenvolvimento deste esporte no Brasil, pois contava até recentemente com poucos praticantes de outras origens, como cubanos e outros que têm mais tradição nesta modalidade.

Com a melhoria da estatura física dos descendentes dos japoneses, alguns foram jogar no exterior, sendo que o Toronto Blue Jays sempre foi uma das equipes que acolheu muitos brasileiros. Alguns destes brasileiros jogam também no Japão, mas observando o beisebol praticado nos Estados Unidos, nota-se que muitos de origens latino-americanos conseguem se destacar, contando com físicos avantajados.

Como alguns canais de televisão transmitem partidas dos Estados Unidos, a terminologia do beisebol veio se alterando no Brasil. Os japoneses utilizavam expressões “ajaponezadas” do inglês, quando os novos comentaristas estão utilizando expressões em português.

Alguns dos exemplos são “entradas”, para os innings, “carreiras” para a conquista das quatro bases pelos runners, que são chamados agora “corredores”. Os primeiros praticantes no Brasil utilizavam outras expressões, como pitcher, agora “arremessador”. As bolas eram consideradas strike, out, mas agora “boas” e “fora”.

A grande curiosidade da notícia divulgada é que não se menciona nenhum brasileiro descendente de japoneses, que ainda deve fazer parte da seleção, mas não se destaca entre os melhores.

Parabéns para a seleção brasileira de beisebol, que, além da vitória, conseguiu uma integração total na sociedade brasileira, o que não acontecia até recentemente. Informo que pratiquei este esporte na fase infantil, e meu pai tem um livro de história sobre o esporte no Brasil, publicado em japonês no Japão, mas ele foi dirigente da modalidade no Brasil, o que o levou a naturalizar-se brasileiro.


6 Comentários para “Beisebol Brasileiro Fatura Vaga Inédita no Mundial”

  1. Edison Hirano
    1  escreveu às 11:17 em 21 de novembro de 2012:

    Primeiro gostaria de parabenizar o beisebol brasileiro por mais uma conquista super importante nesta classificação para o World Baseball Classic.
    Parabenizo também todo o esforço da direção e principalmente da comissão técnica liderada pelo Sensei Mitsuyoshi Sato (que não foi mencionado nas reportagens) fez um excelente trabalho, aliás vem fazendo um ótimo trabalho a mais de 20 anos a frente da Seleção Brasileira de Beisebol.
    Tivemos alguns destaques individuais de brasileiros neste torneio, porém, sendo um esporte coletivo, acredito que a grande vitória foi devido a força coletiva e união do grupo “team work”.
    Uma pena que este esporte tão incrível, dinâmico, inteligente não faça parte das Olimpíadas….

    Um grande abraço,
    Edison Hirano (ex-jogador da Seleção Brasileira de Beisebol)

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 18:41 em 21 de novembro de 2012:

    Caro Edison Hirano,

    Obrigado pelos comentários. O Brasil vem se destacando em esportes que não tinha tradição, como no handebol que antigamente pertencia a mesma Federação do baseball. Tenho a impressão que o intercâmbio com outros países é importante, pois estes esportes não respeitam fronteiras, servindo para integração de diferentes povos.

    Paulo Yokota

  3. Dagoberto Ferreira de Lima
    3  escreveu às 13:03 em 23 de novembro de 2012:

    Paulo Yokota e Edison Hirano:

    Realmente, é muito bom observar o beisebol nacional brilhar e se classificar para o World Classic. Mas lamento o fato de nossa seleção não ter um único representante negro. Se temos cotas para negros nas universidades públicas e nos certames públicos, por que não no beisebol, no volêi etc.?

    Dagoberto Ferreira de Lima,
    Negro com orgulho

  4. Paulo Yokota
    4  escreveu às 14:28 em 23 de novembro de 2012:

    Caro Dagoberto Ferreira de Lima,

    Obrigado pelo comentário. Acredito que no volei já temos alguns atletas afro-brasileiros de destaque. Conhecí alguns que praticavam beisebol, mas num número restrito. Acho que o tipo físico dos afro-brasileiros são adequados para este esporte, havendo muitos na região da América Central e nos Caribes, como nos Estados Unidos. Acredito que seja questão de tempo, como no handebol e outras modalidades esportivas. O beisebol tem um custo de equipamentos relativamente caro, comparado com outras modalidades como o futebol.

    Paulo Yokota

  5. Edison Hirano
    5  escreveu às 00:03 em 4 de Maio de 2013:

    Eu não acho justo as cotas para afro descendentes em universidades publicas, etc…
    Seria a mesma coisa, os orientais exigirem cotas para jogarem nos times de futebol da primeira divisão, ou cotas para participarem da novela das 9h, etc…
    O mais justo e imparcial é a meritocracia na minha opinião.
    Abs,
    Edison Hirano

  6. Paulo Yokota
    6  escreveu às 08:39 em 4 de Maio de 2013:

    Caro Edison Hirano,

    Respeitando a sua opinião, acredito que todos vieram para o Brasil como imigrantes, quando os ancestrais dos afrobrasileiros vieram como escravos. O Brasil foi dos últimos paises que aboliram a escravidão, e muitos dos seus descendentes não tiveram oportunidade de ascensão social, como estão tendo em outros países. Acredito que existem argumentos a favor das cotas, no mínimo até quando eles sejam colocados em condições competitivas, sem sofrerem discriminações, como em muitos países. Em sociedades como a norte-americanas notamos, em todos os setores, afroamericanos em situações de comando, hierarquicamente acima de muitos outros, o que ainda não acontece no Brasil.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: