Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Rapidez Nas Decisões Empresariais

19 de Fevereiro de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , , , | 2 Comentários »

Um interessante artigo foi publicado recentemente pelo jornal econômico japonês Nikkei informando que o grupo coreano Lotte, que vai desde a petroquímica, hotéis até redes de varejo para a colocação dos seus produtos, tem a figura do proprietário no seu comando, Shin Dong-bin. Isto lhe permite uma grande velocidade nas decisões sobre vultosos investimentos no Sudeste Asiático, muito mais rápido que seus concorrentes coreanos, como a Samsung e a Hyundai, com idêntica agressividade comercial. Quando comparado com a maioria dos grupos japoneses, as diferenças são acentuadas, mas começam a aparecer também algumas exceções no próprio Japão, segundo o jornal.

A Lotte Mart tornou-se a loja âncora no Gandaria City, um enorme shopping center em Jacarta, na Indonésia. Visa atender a nova classe média, com uma grande variedade de produtos que não são os mais luxuosos, e planejam contar com uma rede naquele país. Teriam como concorrente a rede Aeon japonesa, que ainda é muito menos agressiva, segundo o artigo. No Japão, o grupo Lotte é tradicionalmente conhecido, mas com suas atividades em doces e gomas, mas é o quinto grupo coreano, envolvido até na indústria pesada.

20110221649-1lotte_logo

Shin Dong-bin

O presidente do grupo Lotte, Shin Dong-bin, afirma para o Nikkei que “a velocidade é importante”. Ele propôs ao presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, a construção de uma planta petroquímica no país, dando início a uma negociação de um projeto de US$ 5 bilhões. E ele faz questão de supervisionar pessoalmente os projetos, tendo gasto metade do ano passado em viagens pelos 15 países da Ásia onde possuem investimentos.

Os acadêmicos norte-americanos e europeus recomendam a separação entre os proprietários e as gestões. No entanto, na Ásia, parece que prevalece a tendência híbrida, como se observa no grupo indiano Tata, Pokphand Charoen, na Tailândia, na Samsung coreana, como constatam consultores e pesquisadores como os da Universidade Meijo.

Num mundo de incertezas e mudanças rápidas, parece que as empresas familiares estão apresentando vantagens, desde que as decisões reflitam os interesses das empresas, e não somente os caprichos pessoais dos responsáveis. Selecionam-se executivos capazes das famílias proprietárias, combinando-se com a seleção de executivos competentes recrutados de fora.

No Japão, uma pesquisa feita pelo jornal Nikkei indicou que as dez melhores empresas em termos de aumento dos preços das ações depois da Segunda Guerra Mundial eram gerenciadas pelos proprietários.

Recentemente, a japonesa Unicharm, cujo presidente é Takahisa Takahara, 51 anos, conseguiu uma capitalização que atingiu no mês de janeiro um trilhão de yens, ou seja, mais de US$ 10 bilhões. Ele sucedeu o seu pai, e afirma que não tem carisma pessoal, e competem com a Procter Gamble e outros rivais nos mercados asiáticos, tendo expandido sua área de fraldas e absorventes higiênicos.

Ele considera que o seu julgamento pessoal dos mercados é importante, passando cerca de 10 dias a cada dois meses na Índia e na China. É difícil saber se é uma questão de diferença cultural ou são casos específicos que proporcionaram estas eficiências, mas parece correto considerar que na nova economia as mudanças são rápidas, exigindo decisões urgentes.


2 Comentários para “Rapidez Nas Decisões Empresariais”

  1. Juliana Gomes
    1  escreveu às 19:56 em 19 de Fevereiro de 2013:

    Salvo engano, a Lotte é um grupo japonês.

    Head Office:
    20-1, Nishi-shinjuku 3-chome,
    Shinjuku-ku, Tokyo, Japan 160-0023

    Fonte:
    http://www.lotte.co.jp/english/outline/index.html

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 12:20 em 20 de Fevereiro de 2013:

    Cara Juliana Gomes,

    A Lotte trabalha ha muito tempo no Japão, onde mantém diversas atividades e bem conhecida popularmente, mas é um grupo com origem na Coreia, e hoje atua como uma multinacional.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: