Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Mitsui Pretende Ampliar Atividades Com Grãos

17 de Fevereiro de 2014
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias | Tags: , , | 2 Comentários »

Uma notícia surpreendente foi publicada no Japan News, do grupo Yomiuri Shimbun, tendo como fonte a Bloomberg. A trading japonesa Mitsui & Co. pretende ampliar em 25% dentro de três anos suas atividades relacionadas com os grãos, tornando-se a maior no Japão, desafiando tradicionais operadoras mundiais como a Cargill e a Dreyfus. Com os resultados com o minério de ferro, diante da desaceleração do crescimento da economia chinesa, está procurando ampliar suas atividades nas áreas de alimentação e saúde que estão em expansão no mundo. No seu setor de Lifestyle, que envolve a agricultura e a medicina, está ampliando os seus investimentos e financiamentos em cerca de US$ 4 bilhões nos quatro continentes.

Pretende negociar 20 milhões de toneladas métricas de grãos por volta de 2017. Com isto, almeja ultrapassar a norte-americana Cargill assim como a francesa Dreyfus, bem como a nova operadora Marubeni do Japão. A declaração seria do gerente de planejamento estratégico do grupo, numa entrevista concedida em Tóquio, afirmando que estaria junto das chamadas majors do mundo. Segundo dados da International Grain Council, estaria com 7% do comércio global anual. Neste ano fiscal de até abril, pretende atingir 16 milhões de toneladas, quando no ano anterior era de 13 milhões.

mitsui_Co_Bloomberg-300x200Mitsui_logo

Sede da Mitsui & Co. em Tóquio

As ampliações visariam o abastecimento da China que deve chegar a 5,5 milhões de toneladas dos quatro milhões atuais. No Oriente Médio e no norte da África, pretende passar para 2,5 milhões. O Japão seria o mercado principal com 7 milhões de toneladas.

Segundo informações, a Oxfam International, uma entidade sem finalidade de lucro de Oxford, no Reino Unido, as quatro empresas que atualmente lideram este mercado seriam a ADM – Archer – Daniel – Midland, a Bunge originária da Argentina, mas hoje sediada nos Estados Unidos, além da Cargill e da Dreyfus, que teriam 90% do mercado estimado em cerca de US$ 300 bilhões de receitas anuais.

Os fatores que estariam mudando o quadro seriam os cuidados governamentais com a segurança alimentar, que estariam beneficiando empresas fora das quatro grandes, com destaque para as empresas japonesas. O interesse da Mitsui em grãos teria se acelerado em 2007 com os investimentos feitos na Multigrain, que opera no Brasil com grãos e suas armazenagens.

Ainda que estas notícias tenham envolvidos órgãos respeitáveis da imprensa, há que se considerar que se trata somente de planos, pois devem provocar reações das demais operadoras, que não estariam inertes num mercado tão dinâmico como das commodities agrícolas, podendo acontecer muitas mudanças nos próximos anos.

No entanto, há que se considerar que os japoneses são grandes compradores, como os demais asiáticos, notadamente na China, havendo muitas notícias que estão se preparando para serem mais agressivos neste mercado.


2 Comentários para “Mitsui Pretende Ampliar Atividades Com Grãos”

  1. Dinarte Rodrigues de Santana
    1  escreveu às 21:16 em 16 de setembro de 2015:

    Mitsui foi uma das empresas japonesas – em conjunto com a Hitachi e Nippon Sharyo – que fabricaram os trens da Séries 500, comprados pelo governo federal (Rio de Janeiro, 1.977) para melhorar o transporte de passageiros nos diversos ramais da cidade e alguns municípios. Estão em circulação até hoje (algumas TUEs), por serem produtos de ótima qualidade, feitos para durar. Deixo aqui este elogio zelo desta empresa na fabricação de seus produtos. Um abraço para todos.

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 21:51 em 16 de setembro de 2015:

    Caro Dinarte Rodrigues de Santana,

    A Mitsui é uma trading, não fabrica trens que são produzidos pelas outras companhias. Recentemente está envolvido em algumas operações discutíveis como os que estão examinados pelo Lava Jato no Brasil, por intermédio de uma subsidiária, infelizmente.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: