Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Nipo-Brasileiro se Consagra Como Professor no Japão

13 de Março de 2014
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais e Notícias | Tags: , , | 2 Comentários »

Um artigo foi publicado no The Japan News do grupo Yomiuri Shimbun, um dos mais importantes no Japão, destacando um professor inédito. Rodrigo Igi é um filho de dekassegui brasileiro que acompanhou o seu pai para ir morar no Japão quando tinha somente 10 anos, tendo sofrido leucemia, da qual ficou totalmente recuperado, quando ainda estava no colégio,. Ele acabou sendo consagrado pelos seus 30 alunos de inglês como o professor favorito, entre eles muitos estrangeiros, inclusive brasileiros, na Homi Middle School, na cidade de Toyota, na província de Aiichi, que é uma escola pública. Ele tem hoje 27 anos e há três anos comanda seus alunos em sala.

O artigo ressalta que é muito difícil um nipo-brasileiro conseguir se destacar como professor no Japão, pois seu primeiro idioma era português, tendo problemas para o perfeito domínio da língua japonesa. Mas, ainda no ensino médio, ele foi destacado por ter recebido a pontuação perfeita num teste de kanji, o ideograma utilizado pelos japoneses. Ele declarou que finalmente foi reconhecido como um ser humano, tendo superado todas as suas dificuldades, sendo abraçado por todos os seus alunos, muitos em lágrimas.

rodrigo

Rodrigo Igi foi consagrado pelos seus alunos. Foto: Yomiuri Shimbun

Rodrigo Igi absorveu uma filosofia que aprendeu do pai. “Deus dá somente as dificuldades que podemos superar”, e deve-se observar que as que ele superou não foram poucas. Os filhos dos dekasseguis chegam ao Japão normalmente sem nenhum conhecimento do idioma japonês, e sofrem para se adaptar, o que costumam fazer mais rapidamente que os seus pais, por serem obrigados a enfrentar as escolas locais no novo idioma, com todos os costumes diferentes dos que tinham aprendido no Brasil.

Mas muitos aceitam os desafios, dedicando-se ao aprendizado do idioma local, e ele certamente tem uma tendência para o domínio de diferentes, tanto que hoje se dedica ao ensino de inglês. Mas conseguir a pontuação máxima em kanji é uma conquista excepcional.

Ter que enfrentar e superar a leucemia no exterior também não é nada fácil, pois os atendimentos médicos no Japão costumam ser bem diferentes dos brasileiros. A província de Aiichi, e a cidade de Toyota, onde se localiza a matriz mundial da indústria automobilística que deu seu nome, concentra-se nos interesses dos japoneses, nem sempre sendo possível diferenciar os estrangeiros que para lá se dirigem a procura de trabalho.

Conseguir um emprego em escola pública como professor, e de inglês, é outra conquista que merece destaque. O Japão, diante da dificuldade que muitos japoneses enfrentam para a adequada pronúncia de palavras estrangeiras, concentra-se na contratação de professores cujos idiomas originais sejam o inglês, que apresenta maior interesse natural no Japão. É relativamente elevado o número de professores norte-americanos que se dirigem ao Japão.

Ser consagrado pelos seus alunos como o professor favorito mostra que Rodrigo Igi superou seus colegas de outras disciplinas, apresentando qualificações que devem ser destacadas. Parabéns a ele, seus familiares e toda a escola onde ele conseguiu esta consagração, lembrando-se que no Japão se dá uma das maiores considerações pelo ensino e aos professores.


2 Comentários para “Nipo-Brasileiro se Consagra Como Professor no Japão”

  1. Ricardo
    1  escreveu às 14:34 em 13 de Março de 2014:

    Olá, Paulo. Por favor, ajude-me a entender esta frase: “Ele declarou que finalmente foi reconhecido como um ser humano…”.
    Isso quer dizer que ele não era reconhecido como um ser humano antes do fato relatado no seu texto?
    Obrigado,
    Abs, Ricardo.

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 20:46 em 13 de Março de 2014:

    Caro Ricardo,

    Reproduzi o que está na matéria. Pelo que entendi, acho que ele se sentia ainda não suficientemente reconhecido. Com a consagração que mereceu dos seus alunos, ele se sentiu plenamente reconhecido como ser humano, por todas as superações que ele conseguiu.
    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: