Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Ampliação das Explorações de Carajás

24 de Fevereiro de 2015
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias | Tags: , , ,

clip_image002Se existe um milagre com que Deus contemplou o Brasil, este se chama Carajás, que, mesmo no atual cenário internacional do mercado mundial de minérios, continua competitivo e ampliando suas atividades.

Ampliação da mineração na Serra de Carajás, a maior do mundo

A maioria dos brasileiros não conhece, infelizmente, a dimensão e nem a qualidade de Carajás. Os minérios disponíveis nesta serra estão cubados e podem abastecer as necessidades mundiais por, no mínimo, mais 300 anos. O teor do minério de ferro de Carajás, bem como sua granulação, é o recomendado para a utilização direta nos altos fornos atuais das siderurgias. Ou seja, Carajás não se trata de uma mina, mas de um depósito de minérios que basta carregar nos gigantescos trens para o seu transporte até o porto de Itaquí, no Maranhão, para depois chegar a qualquer lugar do mundo em navios de até 400 mil toneladas TDW, os maiores do mundo, inclusive para a China.

Uma série de artigos de Francisco Góes começou a ser publicado no jornal Valor Econômico sobre o assunto, e o primeiro encontra-se no http://www.valor.com.br/empresas/3920092/carajas-faz-30-anos-e-vai-ampliar-lavra. Meu conhecimento pessoal sobre Carajás começou muito antes do início da sua exploração, quando tive a oportunidade de apresentá-la para os potenciais investidores japoneses, autoridades e empresários que aportaram inicialmente US$ 1 bilhão para o início dos trabalhos, tendo como base um contrato para o fornecimento do minério a longo prazo.

Ampliou-se quando tive a oportunidade de apresentá-la ao presidente do Banco Mundial, então Robert McNamara, experiente estadista acostumado a avaliar grandes projetos, que ficou impressionado com o mesmo.

Agora, mesmo quando o mercado mundial de minérios se encontra num período pouco brilhante, programam-se a curto prazo suas ampliações, pois os custos do minério de Carajás da Vale são altamente competitivos e suas receitas em divisas seriam importantes para o Brasil.

clip_image004

Ilustrações constantes do artigo de Francisco Góes publicado no Valor Econômico

O atual mercado mundial para o tipo de minério de Carajás encontra-se no nível dos US$ 62 por tonelada, enquanto os custos da Vale estão bem abaixo. Evidentemente, o Brasil não vai aumentar a oferta a ponto de prejudicar os preços mundiais, mas procura mantê-lo ao nível para desestimular outros concorrentes nos seus projetos de ampliação com custos mais elevados.

Carajás é possivelmente uma chaminé de uma das ilhas que existiam quando a Amazônia ainda era um mar até a elevação dos Andes. Junto a estas chaminés costumam haver muitos minérios e, se atualmente o mais explorado é o de ferro, existem muitos outros em percentagens baixas, que necessitam de técnicas sofisticadas para serem separadas. O mais promissor é o cobre.

No meio da Amazônia havia uma elevação com um descampado coberto pelas cangas, que é uma mistura com minério que não permitia o desenvolvimento de árvores. Os aviões por que lá passavam registravam distúrbios em seus aparelhos eletrônicos indicando possivelmente que minérios existiam naquelas estranhas formações.

Havia uma concessão da área para a mineração da US Steel, mas o governo brasileiro, considerando que suas reservas deveriam ser estratégicas, pressionou para a recompra dos seus direitos, que foi feita por cerca de US$ 100 milhões, quando já se avalia que deveria valer no mínimo 10 vezes mais, ainda que a cubagem não tivesse sido efetuada. Hoje, depois de muitas cubagens, sabe-se que o seu valor chega a muito mais que US$ 100 bilhões, mas não havia como aquela empresa norte-americana suportar a pressão do governo brasileiro. Quando da visita de Robert Mc Namara, vendo Carajás, ele afirmou-me: “Poor US Steel…”, simplesmente.

Quando a Vale estava sob o comando do ministro Eliezer Baptista, iniciou-se a sua exploração, tomando-se todo o cuidado com a ecologia, tendo se criado uma área preservada que serve de exemplo para o mundo. Os japoneses colaboraram com a cidade que daria acomodação para os que trabalhariam no projeto, construindo um hospital exemplar. Tudo foi feito com o que de melhor pudesse suportar o conjunto do projeto.

As dimensões de Carajás são difíceis de serem avaliadas pelos que não têm a oportunidade de vê-la pessoalmente. Os gigantescos e muitos equipamentos que retiram muitas dezenas de toneladas de minérios em cada movimento são os maiores do mundo, com suas rodas chegando a alturas de mais de um homem.

. clip_image006

Uma roda comparado com a altura de um homem

Os trens que transportam este minério para o porto de Itaqui contam com cerca de uma centena de vagões, e a cada 10 com uma locomotiva que os move a uma velocidade relativamente lenta, por cerca de mil quilômetros, por uma ferrovia que foi construída especialmente para este transporte.

O porto de Itaqui é um dos mais privilegiados do mundo, contando com uma profundidade natural que chega a 23 metros, onde os navios atracam durante a maré cheia, e são carregados por gigantescas carregadoras, até terem condições para partir na próxima maré alta. A maré da região é das mais altas do Brasil.

clip_image007

Porto de Itaquí e seus gigantescos carregadores de minério

Carajás é um dos projetos que devem orgulhar todos os brasileiros, mostrando que este país tem todas as condições para se tornar um país desenvolvido, ainda que exija trabalhos gigantescos.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: