Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Baixa Obesidade Entre os Japoneses

7 de Março de 2017
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais e Notícias, Gastronomia e Saúde | Tags: , , | 4 Comentários »

clip_image001Um interessante artigo do BBC Brasil foi publicado na Folha de S.Paulo informando que os japoneses são menos obesos quando comparados percentualmente com outros, principalmente de países desenvolvidos. Como se sabe, a obesidade tornou-se uma calamidade pública no mundo favorecendo uma ampla gama de doenças.

O Japão teria somente 3,7% de obesos entre os adultos

Entre 50 países pesquisados, as nações que lutam contra a pobreza, a fome e a falta de segurança apresentam baixa obesidade, mas o Japão é uma exceção entre os desenvolvidos. Nos países do chamado G8, como a Alemanha, França, Itália e o Reino Unido, os obesos giram num percentual em torno dos 21 a 22%, sendo de 26% nos Estados Unidos.

Numa entrevista do BBC Mundo com o especialista em nutrição da OMS – Organização Mundial de Saúde, Katrin Engelhardt, tentou-se identificar a causa deste baixo percentual no Japão. Uma seria a lei chamada Shuku Iku, vigente desde 2005, que obriga as escolas, desde os primeiros anos até o nível secundário, a adotarem uma orientação clara sobre a alimentação. A concepção é que as refeições são um ato social devendo ser feito coletivamente, até em salas de aula, onde os alunos ajudam a servir uns aos outros. Shuku significa comida e Iku refere-se à educação intelectual, moral e física. Nas escolas japonesas não existem máquinas ou quiosques para que as crianças possam adquirir fast food, com lanches não saudáveis como batatas fritas e bebidas açucaradas, mas mesmo assim algumas utilizam as possibilidades fora da escola ou nas residências, criando problemas para algumas delas.

clip_image002

                                  Refeições coletivas dos alunos nas escolas japonesas

Outra lei é a chamada Metabo (derivada do metabolismo) que estimula adultos de 40 a 75 anos a fazerem uma medição anual da circunferência abdominal, que deve ficar no máximo em 94 cm para os homens e 80 cm entre as mulheres. Isto é feito nas empresas como nas administrações públicas. Os que não estão dentro dos limites são convidados a participar de reuniões que promovem alimentações sadias e exercícios físicos. Também existem em muitas empresas intervalos durante o horário de expediente para a prática de alguns exercícios físicos simples, de forma a romperem a rotina de se manter sentados em suas escrivaninhas durante o trabalho.

clip_image004

Algumas empresas promovem rápidos exercícios físicos durante o expediente de trabalho

Somando-se a estes aspectos específicos, observa-se que na culinária japonesa existem muitos alimentos servidos em pequenas porções, facilitando às pessoas que não desejam se empanturrar de alimentos a se servirem somente do necessário. Também existem pratos mais leves, mesmo que muitos sejam fritos.


4 Comentários para “Baixa Obesidade Entre os Japoneses”

  1. Jennifer Moraes
    1  escreveu às 16:44 em 9 de Março de 2017:

    Com a sua culinária tão sem graça – minha opinião – entendo o porquê do povo do Japão ser tão magro. A minha prima foi decasségui e sofreu muito. No Brasil, nunca mais entro num restaurante de culinária japonesa. O odor de peixe me deixou enjoada. Pobre dos atletas brasileiros em 2020. É melhor levar o nosso feijão saboroso.

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 08:13 em 10 de Março de 2017:

    Cara Jennifer Moraes,

    Muito estranho o seu comentário. A culinária japonesa se tornou popular no mundo pela sua leveza. A obesidade é uma calamidade pública e o peixe é considerado um dos melhores alimentos pelo Omega 3. Mas, existem sempre preferências diferentes que devemos respeitar. Se V. conhece um mínimo das Olimpíadas vai verificar existem muitas opções para diversas preferências. Procure conhecimentos mais profundos.

    Paulo Yokota

  3. Carlos Silva
    3  escreveu às 13:59 em 10 de Março de 2017:

    É desrespeitoso o comentário da leitora Jennifer Moraes. Nenhum brasileiro gostaria de receber esse tipo de manifestção em relação aos nossos pratos típicos, vinda de um estrangeiro. Aliás, amo a culinária do Japão.

  4. Paulo Yokota
    4  escreveu às 10:31 em 11 de Março de 2017:

    Caro Carlos Silva,

    Gosto não se discute. Sempre haverá os que gostam e outros não. Muitos não sabem o que estão perdendo, não experimentando não só a culinária japonesa como a de outros países.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: