Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Bossa Nova no Carnegie Hall

7 de Abril de 2017
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , ,

Os que se recordam ainda do evento em 1962 no famoso Carnegie Hall de Nova York, não conseguem avaliar as dificuldades da ocasião, nem a sua repercussão que perdura por décadas não só nos Estados Unidos como no mundo.

clip_image002

Figuras como João Gilberto, Tom Jobim, Luiz Bonfá e muitos outros músicos brasileiros brilharam no Carnegie Hall, apesar de muitos percalços em 21 de novembro de 1962

Thales de Menezes e a equipe da Folha de S.Paulo publica dois artigos tanto sobre o evento histórico de 1962 como a sua repetição que ocorrerá com a participação de sobreviventes como Carlos Lyra e Roberto Menescal. São artigos imperdíveis. Naquele evento, afirma-se que estava na plateia, além de Jackie Kennedy, músicos consagrados do jazz, como Dizzy Gillespie, Miles Davis, Garry Mulligan, Tony Bennett, Carnnonball Adder, Herbie Mann e The Modern Jazz Quartet.

Estiveram no palco quase improvisado, além de João Gilberto, Tom Jobim, Luiz Bonfá, também Oscar Castro Neves Quarteto, Sérgio Mendes, Roberto Menescal, Carlos Lyra, Chico Feitosa, Milton Banana, Sergio Ricardo, Normando Santos, Dom Um Romão, Agostinho dos Santos, Carmen Santos, Bola Sete e Ana Lúcia, segundo o artigo.

O evento foi organizado pelo norte-americano Sidney Frey, que contou com o apoio do Itamaraty. Muitos músicos não estavam acostumados com muitos microfones como se dispunha no Carnegie Hall e alguns não funcionavam bem, mostrando que não houve um ensaio adequado. As críticas tanto do New Yorker como do The New York Times foram impiedosos. Mas os pontos altos foram o Samba de Uma Nota Só, com Tom Jobim e João Gilberto, que foi ouvido num silêncio absoluto ao cantar Samba da Minha Terra, segundo testemunhas.

Nos meses que se seguiram, mudaram-se para os Estados Unidos Tom Jobim, João Gilberto, Sergio Mendes e Luiz Bonfá, quando a Bossa Nova ganhava grande prestígio naquele país como na Europa e até no Japão. A música brasileira voltava a fazer sucesso no mundo depois de Carmen Miranda que foi intensamente utilizada para consolidar a amizade Americana-Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial.

clip_image004

Roberto Menescal, que levei em 1985 para o Japão junto com a Nara Leão, volta para o Carnegie Hall

Na próxima apresentação do Brasil no Carnegie Hall, além de Roberto Menescal e Carlinhos Lyra, sobreviventes daquele acontecimento histórico de 1962, informa-se que serão inseridos o veterano João Donato, Joyce e Marcos Valle. Novos artistas como Leila Pinheiro, Maria Gadú, Fernanda Takai, Lisa Ono, Toni Garrido bem como a norte-americana Stacey Kent, além do neto de Tom Jobim, Daniel Jobim, também estarão no palco.

Vamos aguardar com ansiedade esta repetição.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: