Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Coronel Norte-Americano Localiza sua Mãe Biológica Japonesa

9 de Maio de 2018
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , ,

clip_image002 Uma interessante história foi publicada por Kathryn Tolbert no The Washington Post, mostrando que o coronel da Força Aérea, Bruce Hollywood, foi gerado por uma mãe japonesa, Nobue Ouchi, e doado em 1960 para um casal norte-americano que o adotou, mesmo ela sabendo da discriminação com os mestiços no Japão.

Coronel Bruce Hollywood localizou sua mãe biológica, Nobue Ouchi, no Japão depois de mais de cinco décadas

Terminada a Segunda Guerra Mundial com a derrota do Japão, todos naquele país passavam por enormes dificuldades e membros das tropas de ocupação norte-americana deixaram muitas japonesas grávidas, ainda que elas tivessem dificuldades para sustentar seus filhos. Bruce Hollywood, apesar de sua aparência com traços orientais, foi adotado por um casal norte-americano, Edward e Eleanor Hollywood, que o criou. Ele chegou à posição de coronel da Força Aérea dos Estados Unidos, mas, quando sofreu um enfarte com seus pais adotivos já falecidos, interessou-se em localizar a sua mãe biológica, no que teve dificuldades, apesar das solicitações para os diplomatas norte-americanos e japoneses. Ele desejava escrever uma carta para ela.

Quando se encontrava no Aeroporto Internacional de Dulles, Washington, para atender um compromisso na Alemanha, o coronel Bruce Hollywood encontrou-se com o almirante Harry Harris, que chegou ao comando das forças norte-americanas no Pacífico e acabou embaixador na Coreia do Sul. Ele se prontificou a usar a sua influência para tentar localizár, se ainda viva, a mãe biológica japonesa.

Para a sua surpresa, recebeu uma mensagem que ela lhe ligaria para o Pentágono, o que o fez falando japonês, e Bruce Hollywood teve que providenciar uma tradução na teleconferência. Sua mãe biológica, Nobue Ouchi, que não se casou ficando somente pensando no filho, não falava inglês, mas desejava encontrá-lo. Mas foi ele que se deslocou para o Japão, para acabar encontrando-a na província de Shizuoka, no Japão, administrando um restaurante-bar que tinha o nome Bruce.

Com o tempo, ela acabou aprendendo inglês e ele um pouco de japonês, o suficiente para um convívio. Bruce Hollywood pouco conhecia da história dos nipo-americanos e suas agruras durante a Guerra, como a grande maioria dos americanos. Muitos japoneses, inclusive seus filhos nascidos nos Estados Unidos, foram confinados em acampamentos para cidadãos do Eixo e até alguns foram combater na Europa em unidades formadas somente por nipo-americanos. Acabaram sendo indenizados simbolicamente pelo governo norte-americano mais recentemente.

Hoje, ele é um ativo colaborador da comunidade nipo-americana e nas diretorias da Associação de Veteranos Americanos Japoneses e do Memorial Nacional Japonês Americano ao Patriotismo na Segunda Guerra Mundial. Muitos destes soldados nipo-americanos encontraram nikkeis brasileiros que foram combater com a FEB – Força Expedicionária Brasileira, na Itália, como registrei no livro “Um médico brasileiro no front”, contando a história e o diário do tenente Massaki Udihara.

A autora do artigo publicado no The Washington Post, Kathryn Tolbert, escreve outros episódios que envolvem mulheres japonesas que se casaram com soldados norte-americanos, como consequência da Segunda Guerra Mundial.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: