Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Efeitos de políticas estrangeiras sobre o Brasil

12 de Abril de 2011
Por: Samuel Kinoshita | Seção: Economia | Tags: , , , ,

Nos últimos dias, diversos representantes do Banco Central americano revelaram-se contrários a uma rodada adicional de compra de títulos. Destarte, o chamado QE2 deve finalizar a alocação programada de 600 bilhões de dólares em junho próximo. Alguns membros do FED vão além e sugerem a necessidade de imediata reversão da política laxista adotada atualmente. Um aperto súbito da política monetária nos países mais importantes representará uma mudança radical de paradigma, com consequências potencialmente graves para o Brasil.

Ben-Bernanke2552

O presidente do FED, Ben Bernanke

Leia o restante desse texto »


O Copo Está Meio Cheio

5 de Abril de 2011
Por: Samuel Kinoshita | Seção: Depoimentos | Tags: , , | 2 Comentários »

Reveladas suas primeiras decisões, o que devemos esperar da administração Dilma Rousseff? Acredito que as indicações são positivas e que existem motivos para otimismo. Argumentarei que alguns dos problemas que enfrentamos são desafiadores, mas que o cômputo geral é superior ao que vem sendo retratado pelos analistas.

imagesCAH7NV8M

Leia o restante desse texto »


Já combinaram com os russos?

1 de Março de 2011
Por: Samuel Kinoshita | Seção: Economia e Política | Tags: | 2 Comentários »

O próximo plano quinquenal chinês (2011-2015) deverá apresentar uma meta de crescimento de 7% ao ano, ante os 7,5% do plano anterior. A idéia é redirecionar suavemente a economia chinesa, aumentando a participação do consumo das famílias e reduzindo o peso das exportações e do investimento pesado. Este processo deveria diminuir o ímpeto por projetos apenas marginalmente desejáveis. Mas não é exatamente isso que parece estar ocorrendo.

ilustr_ja_combinaram_co_os_russos

Diversas fontes apontam a existência de deficiências na coordenação entre o governo central e as autoridades locais. Um exemplo, mencionado por Jamil Anderlini, do Financial Times, pode ser evidenciado na frenética construção de aeroportos. Dos atuais 175 aeroportos chineses, três quartos são deficitários e alguns sequer recebem voos. Mesmo assim, o plano é adicionar 45 novos aeroportos nos próximos cinco anos. Vários desses novos projetos ficarão a alguns minutos de carro de outros aeroportos já instalados. Com a concorrência dos trens de alta velocidade (que também andam vazios), fica difícil imaginar que exista a necessidade de todo esse investimento. O fato é que Beijing enfrenta enorme dificuldade em abortar os projetos encaminhados pelos influentes líderes locais.

Leia o restante desse texto »