Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Conhecendo Um Pouco do Brasil – Piauí (8)

16 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Notícias | Tags: , ,

Se existe um Estado do Brasil sobre o qual mesmo os brasileiros possuem um conhecimento equivocado é o Piauí. Com pouco mais de 250 mil quilômetros quadrados, é maior que o Reino Unido e sempre teve a errônea fama de ser o Estado mais pobre do País, contando com um clima adverso, o que difere da verdade. Certamente, conta com condições que não são as melhores do Brasil, mas estes conceitos estão sendo revistos.

A sua capital fica em Teresina, cujo velho centro está numa ilha fluvial do rio Parnaíba, a centenas de quilômetros do litoral, o que lhe proporciona uma sensação de muito calor, devido a sua umidade. Mas, para surpresa dos visitantes, quando eles se deslocam em direção a Leste, para Campo Maior, vão encontrar matas que não diferem do Sul do País.

Mapa do Piauí

Leia o restante desse texto »


Japoneses no Trem Rápido Brasileiro

15 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Trem Rápido | Tags: , , | 6 Comentários »

São frequentes as notícias de que os japoneses sentem dificuldades para participar da concorrência do trem rápido brasileiro que deve ligar Campinas, São Paulo, Guarulhos, Galeão ao Rio de Janeiro, como confirma hoje o respeitável jornal econômico do Japão, Nikkei.

Apesar de registrar que as autoridades brasileiras esperam o crescimento da demanda, tanto pelo aumento da população como das demais condições que cercam o projeto em concorrência, os japoneses revelam que não estão dispostos a correr os riscos de um empreendimento que acham que não é proporcional os retornos necessários.

trem

Leia o restante desse texto »


O Brasil Visto do Exterior

15 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais | Tags: , , ,

Nem sempre os brasileiros possuem uma avaliação mais adequada da imagem que possuímos no exterior. Sem nenhum ufanismo, somos conhecidos como um povo simpático, hospitaleiro, aberto para os estrangeiros, rico em recursos naturais, invejados por saber trabalhar série e viver com grande alegria.

Precisamos tirar o máximo partido desta nossa imagem, para promover o trabalho dos brasileiros, estar presentes em todos os mercados, com nossos produtos. Temos uma população miscigenada, trabalhadora, e estamos dotados da maior diversidade sob todos os aspectos. Tanto genéticos, vegetais e animais, mas principalmente humanos.

Somos invejados pelo clima que temos, pelos nossos recursos naturais, pela beleza dos nossos aspectos geográficos, mas, sobretudo pelo povo que temos, recursos humanos da melhor qualidade. Nem sempre temos plena consciência desta nossa realidade, principalmente quando notamos as limitações de outros povos.

Os problemas que temos são insignificantes perante os que os outros países enfrentam. Estamos consolidados como democracia, temos um judiciário atuante, estabilidade econômica, garantias que muitos gostariam de assegurar, nenhuma dificuldade racial, religiosa, de fronteiras, nenhuma pretensão militar. Podemos ainda aperfeiçoar a nossa política, a segurança social e pessoal, tudo que depende de nós mesmos.

Só desejamos ser considerados internacionalmente como merecemos, como um vigoroso país emergente, com opiniões independentes, respeitando todos os povos pelas suas opções. As nossas relações internacionais foram sempre importantes, e resolvemos tudo com a maior diplomacia, sem recorrer à violência.

Fazemos parte do mundo, não somos um país isolado, e acreditamos na possibilidade de conviver com outros que pensam de forma diferente da nossa.

Com tantas qualidades pelas quais somos reconhecidos, nem sempre temos a plena consciência da importância que temos. Podemos ser mais ousados, sem nenhuma arrogância, pois temos tudo para contribuir para a melhoria da qualidade de vida de toda a humanidade.

Tanto quanto mais viajamos pelo mundo, aumentamos a consciência dos privilégios dos quais fomos dotados, tanto pela natureza como pela nossa história. Vamos preservá-las e aperfeiçoá-las, com a generosidade do qual somos dotados.


Corrida Mundial pelo Lítio

14 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Tecnologia | Tags: ,

O prestigioso jornal japonês Nikkei noticia uma verdadeira corrida entre as empresas japonesas para assegurar a liderança da produção de baterias de lítio que seriam utilizadas nos carros “flex”, entendidos como aqueles que utilizam alternativamente gasolina e eletricidade. A Mitsubishi anuncia um acordo com os australianos para produção na China, a Itochu com os norte-americanos a partir de fontes geotérmicas, a Toyota utilizando a produção argentina, e o METI – Ministério da Economia, Indústria e Comércio do Japão estima que 60% da demanda mundial será utilizada pela indústria automobilística.

Todos sabem que a produção boliviana é a que apresenta custos melhores por serem retirados das águas de seus lagos, mas a exigência de que as baterias sejam produzidas naquele país pode comprometer a sua competitividade.

Carro híbrido Toyota Prius Carro híbrido chinês

Leia o restante desse texto »


Trens Asiáticos ou Mundiais

14 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Trem Rápido | Tags: , , , , , ,

Quem observar os noticiários asiáticos sobre negócios de trens acaba ficando confuso. Tem para todos os gostos, desde a visita da presidente argentina à China e os acordos firmados, como entendimentos de empresas japonesas, coreanas, com tecnologias europeias, para atender mercados até norte-americanos. No meio de tudo isto, o anúncio da concorrência no Brasil para ser julgado ainda este ano.

O que se pode sentir é que o setor ferroviário se globalizou com empresas, tecnologias, financiamentos, mão de obra, componentes e tudo que envolve grandes obras de logística. Devem ser consórcios que montam verdadeiros quebra-cabeças, com contribuições das mais variadas, nem permitindo saber quem é concorrente de quem.

Se os custos mais baixos, as tradições de operação por prazos mais longos, tudo é incluído no currículo dos componentes de um grande consórcio, vai acabar ficando difícil discriminar o que é de quem. Como está se tratando de projetos que devem operar por muitas décadas, envolvendo riscos econômicos e humanos, parece ser mais conveniente julgar tudo com muito cuidado.

Não se trata somente do Brasil ou de um determinado país, mas acaba se tornando um grande negócio internacional onde a segurança deve ter o devido peso. As lições das dificuldades do Golfo do México devem servir para os mais variados projetos, onde as responsabilidades pelos riscos devem ser desafios para os melhores contratos, com foros claros que não podem ser definidos somente do ponto de vista político.

Que todos nós sejamos sensatos para antecipar, no que forem possíveis, os problemas que vamos enfrentar no futuro, que pode ser distante. Não deve ser um problema simples para qualquer autoridade, pois necessita de um equilíbrio entre a autonomia nacional e os interesses supranacionais.


Culinária Japonesa e Modernização

14 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Gastronomia | Tags: , | 2 Comentários »

Voltando a Tóquio depois de pouco mais de dois anos, impossível não notar as mudanças que ocorrem, preservando o fundamental. Na arquitetura, por exemplo, um dos orgulhos do trabalho do arquiteto Kenzo Tange, um dos mais conhecidos japoneses no exterior, o prédio do Akasaka Prince Hotel, concluído em 1982, e onde morei por um tempo, já vai ser derrubado para a construção de um novo complexo. A estação de Tóquio, que resistiu à Segunda Guerra Mundial, está sendo demolida, mantendo-se o mínimo.

No velho bairro de Akasaka, voltei ao meu preferido restaurante, pequeno, Tamaki, cuja proprietária é uma verdadeira gueisha, filha de geisha, criada em São Paulo, amiga de minha família toda. Os que se lembram um pouco da história da culinária japonesa no Brasil se recordam do antigo restaurante Akasaka na Rua Treze de Maio, em São Paulo, ou em Copacabana, ou do primeiro Steak House na Basílio da Gama. Sou recebido não como um cliente, mas como amigo da proprietária, do chef de décadas, das antigas atendentes, que continuam bonitas com seus elegantes quimonos, num ambiente sóbrio, quase zen. E olhe que nem tive tempo da fazer a reserva antecipada, mas quando a concierge do hotel deu o meu nome, a atendente logo lembrou: “o velho amigo da okamisama, tem um lugar para ele imediatamente.

Akasaka Prince Hotel

Leia o restante desse texto »


Família e Tradição em Yasujiro Ozu

14 de julho de 2010
Por: Naomi Doy | Seção: Livros e Filmes | Tags: , , , , ,

Yasujiro Ozu O Centro Cultural Banco do Brasil, com apoio da Fundação Japão em São Paulo, apresenta, até o dia 25 de julho, a mostra “Emoção e poesia: o cinema de Yasujiro Ozu”. Oportunidade única para a geração cinéfila atual conhecer um dos mais importantes e profícuos cineastas japoneses. E, para os fãs saudosistas de Ozu, rever alguns dos filmes que marcaram os anos 50 – 60, e conhecer outros que permaneciam inéditos no Brasil.

Muito se tem escrito sobre Ozu mundo afora, rotulado com a pecha de o “mais japonês dos cineastas japoneses”. Na verdade, seus filmes apresentam nada mais do que a descrição simples e espontânea da família japonesa e as mudanças que essa unidade familiar experimenta ao longo dos cruciais anos pré e pós II Guerra. Através de relatos do cotidiano rotineiro de famílias da classe média, Ozu vai desfilando as diferenças entre gerações, provocadas pela pressão de mudanças sociais, políticas e econômicas. Essas mudanças são aceleradas com o fim da Guerra e a entrada do Japão na era do desenvolvimento industrial. A procura das cidades grandes é cada vez maior pelos jovens em busca de estudos e para ser “alguém importante na vida”.

Leia o restante desse texto »


Primeiras Impressões de Uma Tóquio Renovada

12 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Notícias | Tags: , , ,

Oliveira Lima ensinou-nos que é sempre importante registrar as primeiras impressões sobre um lugar que visitamos, pois captam os aspectos mais positivos, para depois começar a notar as dificuldades. Neste verão japonês, depois de mais de dois anos ausentes, volto a visitar esta metrópole, o que fazia com grande frequência.

Nota-se que o número de turistas é mais baixo, possivelmente afetada pelas dificuldades mundiais. O aeroporto de Narita, que viva sobrecarregada neste início da alta temporada, não está com o volume de estrangeiros, o que leva o governo a pensar novamente nas formas de atraí-los para ativar a sua economia interna, que já não é tão dispendiosa como no passado.

toquio_noturno

Vista noturna de tóquio – Foto: Vitor Ogawa (02/2010)

Leia o restante desse texto »


Eleição na Câmara Alta Japonesa

11 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais | Tags: , ,

Se a situação já não era confortável para o novo governo japonês, que precisa implementar programas antipopulares como a corte dos subsídios, reforma tributária, reformulação da previdência social, controle da dívida interna etc., agora acabou ficando mais difícil. Os eleitores não apoiaram o bloco governista, com o surgimento de dissidências que acabam formando novos e pequenos partidos.

A política japonesa, como a sua economia e sociedade, não consegue se galvanizar diante de um programa claro, tendo opiniões variadas sobre problemas cruciais, como o acordo militar com os Estados Unidos, realocando as bases militares que ficaram dentro das cidades, incomodando populações como o de Okinawa. Na tentativa de estimular a economia, o governo propôs a redução dos impostos sobre as empresas, aumentando os impostos sobre as vendas, que afetam os consumidores.

Naoto Kan e Sadakzau Tanigaki

Premiê Naoto Kan, do  Partido Democrático Japonês, e Sadakazu Tanigaki, do Partido Democrático Liberal, fortalecido na eleição da Câmara Alta

Leia o restante desse texto »


Verão Florido no Japão

11 de julho de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Notícias | Tags: , ,

campo de lavanda

Os campos floridos de lavanda mais conhecidos no mundo são os franceses, que utilizam suas flores para a produção de perfumes conhecidos mundialmente. Mas esta foto publicado no Japan Today impressiona, pois estas floradas são pouco conhecidas no exterior.

As flores são bem cuidadas no Japão, e são motivos de atração para locais e turistas do exterior. As mais famosas são as das cerejeiras que atraem e encantam a todos. Mas existem outras espécies menos conhecidas, mas que impressionam os que as conhecem com detalhes.

A alta estação de turismo externo começou neste período de mais calor no Hemisfério Norte. Mas a crise parece estar afetando a todos, e os vôos estão menos lotados que de costume. Tanto de asiáticos para a Europa, como de europeus para a Ásia. Para os que necessitam viajar por motivos profissionais, acaba sendo mais cômodo que enfrentar grandes massas de turistas, mas para quem trabalha no setor relacionado pode ser desanimador.

Mas as coisas belas, em todo o mundo, podem ser apreciadas com mais tranquilidade, mesmo neste período que seria de alta estação no Hemisfério Norte, havendo os que preferem os invernos do Sul, mas em menor número.