Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Novas Culinárias Asiáticas

14 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Gastronomia | Tags: , , , ,

A América do Sul, dada a ampla diversidade de gostos dos seus consumidores, estimula um grande número de empresários a trabalharem com as culinárias asiáticas, que enriquecem as alternativas disponíveis.  Muitos que viajam pela Ásia tomam conhecimento das iguarias lá existentes, o que é ótimo, e procuram trazer para cá, fazendo adaptações livres.

No entanto, a adaptação para o paladar que se supõe seja o dos sul-americanos e as disponibilidades de matérias-primas locais exigem cuidados.  Todas as culinárias costumam ter uma base que nem sempre é absorvida pelos que as preparam, e a química que ocorre com as combinações das matérias-primas ou ingredientes podem acabar provocando desastres.

Um dos absurdos que tenho encontrado nos restaurantes é o uso do “shitake” local (um cogumelo que costuma ser utilizado seco por muitos asiáticos, semelhante ao “funghi secchi” italiano), como se fosse um substituto mais barato do importado, e ainda utilizado fresco.

Ora, o “funghi secchi” combina muito bem com o creme de leite, mas o “shitake” choca-se com derivados de leite.  O que se costuma é combinar o “shitake seco” com o “mirim” (uma espécie de “sakê” para a culinária), e se ajusta melhor com um vinho branco que se assemelha mais com aquela bebida oriental.

A disseminação não adequadamente assimilada do “sashimi” e do “sushi”, para mim, é uma calamidade.  Os brasileiros, por exemplo, são muito criativos e capazes.  Um verdadeiro “sushiman” japonês leva onze anos para ficar completo, pois também é um “chef” e vai aprendendo “filando” dos mais veteranos, começando por lavar pratos.  Aqui se prepara um profissional em menos de onze horas…

Num balcão de um restaurante de “sushi” respeitável no Japão, conversa-se sobre a procedência do pescado, a época mais adequada para cada variedade, e o “sushiman” sabe tudo, dá uma verdadeira aula.  Aqui, mal se consegue informar que foi adquirido no Mercado Municipal, quando não foi entregue pelo peixeiro.  Mal sabem servir produtos que neutralizam a boca, para apreciar diferentes frutos do mar, cujos sabores são evidentemente diferentes.  Ainda que no Brasil se disponha de camarões de diversas variedades, mal conhecem os que procedem de Santa Catarina.  Nem os “sushimen” nikkeis sabem que existe, no Maranhão, uma variedade que se aproxima do “ama ebi” (camarão doce) que é apanhado na praia, quando as águas refluem depois das ondas.

É ótimo que sejam criativos, mas depois de aprenderem o básico, por favor.


Sinais do Tempo

14 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais | Tags: , , , , ,

Em que pese o fracasso da reunião de Copenhague ao tentar um compromisso global, com metas definidas para evitar o aquecimento que está ocorrendo no mundo, constata-se evidentes sinais que esforços estão sendo feitos em todos os países relevantes na matéria. Tanto na China e Estados Unidos, mundo desenvolvido, quanto nos emergentes. A consciência global está constatando que algo precisa ser feito de concreto para evitar um desastre total, no que está sendo ajudada pela mídia, e muitos entendem que as atuais irregularidades climáticas podem estar vinculadas com este aquecimento.
Leia o restante desse texto »


Primeiras Manifestações sobre este Site

14 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Depoimentos

Os responsáveis por este site ficaram sensibilizados com as primeiras manifestações recebidas de internautas conhecidos ou não, na grande maioria estimulantes.

De Milton Ifuki recebemos: “Cingapura é um caso interessante da presença de chineses e indianos…”.

De Claudio Yokota: “…ficou muito bom…com vários artigos desde o início. Parabéns pelo lançamento”.

De Ana Amélia de Lemos (grupo RBS): “…parabéns pelo site Asiacomentada. Quando aparecer em Brasília, terei o prazer de uma longa e boa entrevista para o Canal Rural…”.

De Dr. Kenji Nakiri: “…certamente o site será de muita utilidade”.
De Sandra A. T. Kodama: “…achamos interessante, e vamos divulgar”.

De Zé Mario (Topbooks): “Uma boa ideia a deste site. Vou virar freguês”.

De Patrícia De La Sala: “Site informativo, claro, objetivo, chique. Parabéns pela iniciativa!”

Muito obrigado a todos.


Eixo Tecnológico-Empresarial Coreano

13 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Tecnologia | Tags: , , , ,

O primeiro-ministro coreano está submetendo ao Parlamento daquele país a criação de um complexo eixo de pesquisas e desenvolvimento, envolvendo o setor privado, na região de Seijang-Daeduk-Osong-Ochang. Parece que absorvem as experiências norte-americanas em torno de Stanford, dos japoneses com Tsukuba e o que se efetua em Cingapura.

É evidente que procuram aproveitar as vantagens da aglomeração, com os olhos voltados para o desenvolvimento tecnológico, mas estão envolvendo empresas de variados ramos de atividade, desde eletrônicos, como a Samsung, até de alimentos, como a Lotte. Ainda que estes grupos estejam envolvidos em muitas atividades. Por ser um país de dimensão relativamente pequena, volta-se mais ao que se efetua na minúscula Cingapura.

Leia o restante desse texto »


Competição de gigantes asiáticos

13 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Tecnologia | Tags: , , , , , ,

Noticia-se que com a fusão das japonesas Panasonic e a Sanyo planeja-se, para os próximos anos, uma forte competição com a Samsung coreana. O presidente da Panasonic, que esteve visitando o Brasil, não se conforma com o fato dos coreanos estarem sendo mais eficientes no marketing na América do Sul.

Há planos para a ampliação da produção de células solares. Sendo o novo grupo o maior fornecedor mundial de baterias de litium e de TV 3-D, ele está planejando instalar uma nova unidade na Índia para contar com custos mais baixos.

Leia o restante desse texto »


A falência da JAL

13 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Notícias | Tags: , , , , , ,

O governo japonês continua desenvolvendo esforços para que a reestruturação da JAL ocorra de forma menos traumática possível, admitindo que acionistas, funcionários e seus aposentados, bem como os credores, necessitam cooperar para que a organização seja substancialmente enxugada na sua dimensão e nos seus custos.

O ponto de maior resistência foi superado, pois entre os aposentados havia necessidade da aprovação de dois terços, e se alcançou os 67% necessários, portanto no limite mínimo indispensável. Admitiram um corte substancial de suas pensões, como os funcionários que continuam na ativa, e que serão reduzidos drasticamente. Agora, trata-se dos acertos com os credores, onde o Banco Japonês de Desenvolvimento, oficial, é o maior credor, mas os três grandes grupos privados são importantes. Os bancos acham que a falência seria o mecanismo de minimizar os seus riscos, pois certamente reduzirão uma parte substancial dos seus lucros.

Leia o restante desse texto »


Complementos Sobre a Culinária Japonesa Para a Passagem do Ano

12 de janeiro de 2010
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos | Tags: , , , , | 2 Comentários »

(A propósito do artigo deste site sobre o assunto, Naomi Doy resolveu fornecer as receitas de como podem ser preparadas estas iguarias que variam um pouco das famílias ou das regiões do Japão).

Como em muitas culturas, a japonesa possui alguns pratos considerados quase obrigatórios para a passagem do ano.

Leia o restante desse texto »


Visita do Embaixador Edmundo Fujita

12 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Intercâmbios | Tags: , , , ,

O Embaixador do Brasil na Coreia do Sul, Edmundo Fujita, encontra-se em São Paulo para uma curta visita. Ele que já foi Embaixador na Indonésia, onde desenvolveu um bom trabalho iniciando, praticamente, os intercâmbios brasileiros com aquele populoso país, o maior de muçulmanos moderados, é um dos maiores conhecedores da Ásia. Foi responsável, por muito tempo, do Departamento de Ásia e Oceania do Itamaraty, alem de ter trabalhado nas Nações Unidas, em Nova Iorque.

Ele relata que o posto em Seul excede as expectativas mais otimistas. Os coreanos estão empenhados no aumento do intercâmbio com o Brasil, de um comportamento de “sanduíche”, por se encontrar entre uma gigantesca China e um Japão desenvolvido. A Coreia exerce um papel de ponte, pois está ligada ao continente asiático pela China e muito próxima do arquipélago japonês de onde, em dias claros, é possível de se avistar os dois lados a olho nu.
Leia o restante desse texto »


Diversidade Econômica e Política

12 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais | Tags: , , , , , | 12 Comentários »

Muitos se desesperam com as muitas confusões econômicas e políticas recentes em países sul-americanos, que podem prejudicar a imagem de todos do continente. No entanto, o quadro é similar nos países asiáticos, mostrando que não se trata de um privilégio local. Há que se conviver com a diversidade de situações, procurando se diferenciar dos demais, pelos critérios que são aceitos pela maioria dos países desta aldeia global.

Mesmo o conceito de democracia ocidental não é tão universal como parece, ainda que aparente ser o menos ruim de todos. Nascido das revoluções francesa e americana pressupõe-se que todos sejam iguais, tendo os mesmos direitos. Mas parece que os seres humanos acabam sendo diferenciados pelas suas riquezas e rendimentos. Uns são mais que os outros.

Leia o restante desse texto »


Problemas Políticos Desnecessários

12 de janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais | Tags: , ,

Se existe um problema que está bem resolvido na transição do regime autoritário brasileiro para a democracia foi a anistia, que absorveu todos os envolvidos de ambas as partes, de forma razoável. Outros países vizinhos enfrentaram dificuldades maiores na sua transição, até porque o regime autoritário parece ter sido mais violento.

Este instituto de anistia foi criado internacionalmente para resolver problemas decorrentes das guerras e revoluções, para se começar vida nova, sepultando-se o passado. E vem funcionando em muitos países, resolvendo problemas complexos, que se remoídos prejudicariam os novos caminhos que são perseguidos por todos. Sem que isto signifique tomar partido de um dos lados, pois hoje existe uma convivência razoável de todas as partes.

Leia o restante desse texto »