Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Kokoro no Kizuna: Laços de Afeto e Vínculos de Fortaleza

21 de outubro de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos, webtown | Tags: , , , ,

Kiyu Kobayashi, 43, fotógrafo de publicidade para revistas no eixo Yokohama – Tóquio, jamais deu valor nem se interessava por fotos casuais de família (aniversários, casamentos etc.). Recentemente, porém, a pedido de um casal amigo de Yokohama, ele fez fotos da família com o filhinho, em parques e momentos de aconchego. Após o 11 de março e as consequências da catástrofe sem precedentes, os Hinos se atinaram como o momento presente das famílias podia ser tão especial quanto frágil. A sra. Hino quis então fazer fotos casuais de sua família como algo a que pudesse se aconchegar.

Ao reparar, através de noticiários de TV, a ternura como fotos de família, cobertas de lama e recuperadas do tsunami, eram acariciadas com lágrimas nos olhos por sobreviventes, o fotógrafo também começou a enxergar muito além das sofisticadas fotos de publicidade. Ele se comoveu ao constatar como essas fotos simples eram tão insubstituíveis para cada uma das pessoas, e tinham tal força de vínculos preciosos para as famílias. Então, além de visitar as áreas destroçadas fazendo fotos documentais, Kobayashi começou a aceitar fazer fotos de família – para capturar os momentos de felicidade e de pequenas histórias familiares que só interessam aos envolvidos. Ele mesmo começou a dar muita importância a momentos que consegue passar num parque ou num playground com a filha de 5 anos. Notou que, ao redor, as pessoas estão cada vez mais estreitando laços familiares e comunitários – kazoku no kizuna, tsunagari. E fotos de família, que dão forma a momentos únicos, se tornam mais e mais preciosas depois do terremoto.

IMG_1588IMG_3127

Leia o restante desse texto »


Peixes do Outono Japonês e o Ritual Imutável da Natureza

4 de outubro de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos | Tags: , , , ,

Maior rio do Nordeste japonês, o Rio Kitakami, nasce nas fontes de Yuhazu, nos platôs do Monte Iwate e corta a cidade de Morioka, capital da província de Iwate. No seu trajeto direção Sul, ao longo de 250 quilômetros pelo interior Norte da Ilha de Honshu, recebe dezenas de afluentes e dá origem a outros tantos defluentes, desaguando no Oceano Pacífico – na foz da Baía de Ishinomaki, já na província de Miyagi. Uma atração de outono em Morioka é a observação da subida de salmões coho que buscam as cabeceiras desse rio e seus afluentes para desovar. Perguntava-se com apreensão se salmões retornariam este ano às desembocaduras de rios no litoral devastado de Tohoku. Na semana passada, gente que atravessava ponte sobre o Rio Nakatsu, um dos afluentes que também banha Morioka, se enterneceu com a visão de vários salmões nadando rio acima. Alguns já com barrigas avermelhadas, que indicam proximidade de fecundação.

O retorno dos salmões do Pacífico aos rios onde nasceram e passaram os primeiros meses de vida, é dos fenômenos intrigantes da natureza, desde o Estreito de Bering às costas do Japão, Alasca, Canadá, EUA. Bilhões de salmões viajam centenas de quilômetros para voltar ao exato local onde nasceram para desovar e morrer. Predadores como ursos esfomeados também espreitam esse retorno. Na tenaz jornada, nadam contra a força da correnteza, saltam cachoeiras, se machucam nas corredeiras pedregosas. Após o ritual da desova, as ovas são fecundadas pelo macho que acompanha a fêmea. Exaustos pela longa viagem em que ficaram dias sem se alimentar, retomam o caminho de volta, mas a maioria morre. Seus corpos alimentarão outros seres ao longo dos rios, e nutrirão seus próprios alevinos. Salmões, como todo peixe, só voltam a rios límpidos e cristalinos.

salmao13132194_31n

Salmão coho, barrigas avermelhadas, nadando rio acima; cavala grelhada

SuperStock_4029R-481210011-01

Rio Kitakami, Morioka, Iwate; ponte sobre o rio Nakatsu, Morioka, Iwate

Leia o restante desse texto »


Guerras e Atos de Terrorismo Segregam Minorias Raciais Inocentes

11 de setembro de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos, webtown | Tags: , , , , ,

Astro de primeira grandeza no Japão, Ken Watanabe (O Último Samurai, Cartas de Iwo Jima, Batman Begins, Inception) empresta seu carisma e competência para assuntos além do show biz. Sorte nossa. Engajado social e politicamente, arregimentou não só famosos japoneses, mas também celebridades de Hollywood, à frente de organizações como Kizuna 3-11 e United for Japan, de apoio e arrecadação de fundos pós 11 de março. Transitando entre Tóquio, Nova Iorque e Los Angeles, falando fluente inglês, o ator se dedica também à produção de documentários de impacto. Para marcar os seis meses do 11 de março e os 10 anos do 11 de setembro, a emissora NHK-TV está apresentando um excelente e tocante documentário produzido e conduzido por ele (www.nhk.or.jp/kenwatanabe). Com sobriedade e profundidade, Watanabe faz paralelos entre os dois acontecimentos, e de como tais fatos abalaram e repercutiram (e continuam repercutindo) no caminhar dos dois países.

Reportando-nos mais especificamente ao 11 de setembro, o documentário traça a trajetória do congressista californiano Norman Mineta, 80 anos, 2ª geração nipo-americana. Nomeado secretário do Comércio (Governo Clinton) e dos Transportes (Governo Bush) entre 2000 e 2006, foi o primeiro nipo-americano a servir no gabinete de dois presidentes, em cargos que no Brasil correspondem a de ministros.

ken-watanabe-mineta

O ator Ken Watanabe e o congressita norte-americano Norman Mineta

Leia o restante desse texto »


É Nadeshiko Japan!

18 de julho de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Notícias | Tags: , , , , , | 16 Comentários »

Eletrizante, embate digno de final mundial. Nenhuma das duas equipes entregando os pontos, mas os EUA sempre na dianteira. O Japão persistiu, empatou duas vezes (regulamentar e prorrogação), finalmente decidido nos pênaltis (3×1 para o Japão). Qualquer das duas podia ser campeã. Mas o dia era das japonesas, elas pareciam estar fadadas a vencer. É o que o técnico da Suécia, Thomas Dennerby, também disse após Japão 3 x 1 Suécia, na semifinal: “Esta noite era impossível derrotá-las; elas estavam muito determinadas para vencer”.

Norio Sasaki, técnico do Nadeshiko Japan – como a seleção feminina é chamada carinhosamente no Japão, vem preparando a ascensão do time já há alguns anos. Quando terminou em 4º lugar na Olimpíada de Beijing, em 2008, ele considerou que isso estava dentro das pretensões do Japão. Mas ambicionava metas melhores, e após vencer as gigantes (em técnica e altura) alemãs e suecas, Sasaki ponderou que, apenas fazendo o que sabiam, era possível ganhar das poderosas americanas. O que elas sabiam e treinaram muito: tática de bolas baixas, foco total no controle da bola, jogadas ensaiadas de passes rápidos e certeiros, olho na posição de cada colega. E acima de tudo, espírito de equipe, todas tinham que se envolver igualmente. Estudaram a rapidez dos jogadores do Barcelona, e, para a final com as americanas, observaram o modo como elas jogavam focadas muito de “olho na bola”. Sasaki diz que procurou tirar proveito disso, com chutes rápidos e precisos em direção de parceira inesperada, mas atenta.

selecao-feminina-japao-300x203Dianthus_superbus_subsp_longicalycinus1

Leia o restante desse texto »


Um Olhar Sobre a Aquicultura de Kesennuma

15 de julho de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos, webtown | Tags: , , , ,

Bretagne, no litoral noroeste da França, é banhada pelo Atlântico e pela forte maré resultante do encontro das águas quentes do Gulf Stream (Golfo do México) com as correntes geladas vindas do Pólo Norte. Esta configuração é muito semelhante à costa nordeste da Ilha de Honshu, Japão, no Pacífico: recortada por escarpas cheias de reentrâncias e por dezenas de baías que escondem outras pequenas baías repletas de ancoradouros e portos pesqueiros. É aonde as águas da corrente Kuro-shio (“corrente negra”, quente, vinda das Filipinas) se encontram com as da corrente Oya-shio, gelada, que desce do Pólo Norte pelas Ilhas Kurilas e costa leste de Hokkaido. Com a forte maré que provocam, estas correntes formam uma mistura de águas propícias à multiplicação saudável de peixes, moluscos, crustáceos e algas marinhas.

Conhecida como uma das áreas de excelência da pesca e aquicultura no mundo, a região é considerada também “conservatório mundial natural da ostra”. 80% das matrizes de ostra que alimentam o Japão vinham de Sanriku, como é conhecida essa área da península de Oshika. Quando algum país sofre epizootia (epidemia que devasta a fauna de um lugar) de ostras e mariscos em geral, recorria-se a esta região do Japão para repovoar a criação. O tsunami de 11 de março destruiu a maioria das 263 cidades pesqueiras ao longo desse fértil litoral, nas províncias de Fukushima, Miyagi e Iwate. Duas placas tectônicas se encontram também, próximas, sob o mar de Sanriku.

Japon_Hatakeyama_Shigeatsu_huitreJAPON_~3

Shigeru Hatakeyama e o mapa de Honshu e região de Kesennuma, Miyagi

imagesCAQ9EH4BJapon_tsunami_kesennuma_huitre_Hatakeyama_Shigeru

Baía de Kesennuma antes e depois do tsunami.

Leia o restante desse texto »


NHK World News ao vivo

28 de Março de 2011
Por: Decio Yokota | Seção: Notícias | Tags: , , , ,


Manifestações da Imprensa Sobre os Problemas Japoneses

18 de Março de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Notícias | Tags: , , , | 2 Comentários »

Diante de problemas tão gigantescos, decorrentes basicamente de acidentes naturais, a imprensa japonesa procura colaborar no sentido de aglutinar o povo japonês, evitando os pânicos. O instrumento principal de comunicação é a NHK, televisão oficial do Japão, que tem a finalidade de ajudar na defesa civil. Todos os jornais, até os que costumam serem críticos com relação ao governo, e as grandes empresas concordam que a prioridade é a assistência às vitimas dos terremotos e tsunamis, mas nos seus editoriais já manifestam críticas às autoridades, principalmente aos responsáveis pelas usinas nucleares de Fukushima.

Na imprensa internacional, há um reconhecimento da magnitude do desastre e o comportamento paciente do povo japonês, mas abundam as críticas às autoridades japonesas e aos responsáveis pelas usinas atômicas que enfrentam as dificuldades que entendem ser da magnitude do terremoto e do tsunami. Noticiam que advertências sobre problemas nas usinas foram alertadas no passado, sem que elas fossem admitidas e medidas de correção tenham sido tomadas preventivamente. Há que se considerar que críticas posteriores aos desastres são fáceis de serem efetuadas, mas ainda faltam sugestões concretas das formas possíveis de se superar as dificuldades. Muitas críticas estão sendo formuladas sobre as formas pelas quais os responsáveis lidam com os problemas, mesmo admitindo que sacrifícios heróicos estejam sendo feitos por um grupo de funcionários.

12japan-gallery1-custom1012japan-gallery1-custom112japan-gallery1-custom3

Leia o restante desse texto »


Longa Crise Cria Novos Heróis

17 de Fevereiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Livros e Filmes | Tags: , , ,

sakamoto A longa crise por que passa o Japão está forçando a divulgação de heróis baseados em fatos históricos. A NHK, a televisão estatal, lança uma série especial de um ano para ressaltar a figura do samurai Sakamoto Ryoma (1836-1867), da região de Toza, um lendário reformista anterior à Era Meiji, como noticia a Nikkei Week.

Ryoma, sobre quem se dispõe de muitos documentos históricos, vai receber uma promoção global. Já estão sendo produzidos camisetas e todos os produtos que podem ser relacionados com a lembrança deste legendário samurai.

Leia o restante desse texto »