Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Multiplicação de Cursos MBAs e a Demanda de Pós-Graduados

3 de maio de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, Política | Tags: , , | 2 Comentários »

Um interessante artigo da Samantha Pearson foi publicado no Financial Times discutindo a multiplicação de cursos, principalmente de MBAs, no Brasil, tanto para atender estudantes brasileiros como os provenientes do exterior, bem como noticiando sobre os estudantes brasileiros que vão fazer estes cursos no exterior. Tudo indica que o interesse pela economia brasileira e suas empresas está aumentando no exterior, considerando as potencialidades do Brasil como país emergente, que exige recursos humanos de qualidade de forma crescente, treinados em seus ambientes culturais, que diferem de país para país. Uma grande diferença apontada é a quantidade de cursos de tempo parcial no Brasil, com menor duração e carga horária.

No exterior, notadamente nos Estados Unidos e na Europa, estes cursos são o mínimo exigido para os candidatos aos cargos executivos nas empresas, e o artigo observa que os graduados nos cursos superiores do Brasil (chamados pelos norte-americanos de undergratuated) já começam suas carreiras, utilizando os MBAs como um aperfeiçoamento, feitos fora dos experientes normais dos seus empregos. Na realidade, no Brasil existem diversos tipos de MBAs, dos mais complexos, inclusive os ministrados em inglês e com convênios com consagradas universidades no exterior, até os mais simples.

imagesCA1OFKRYFIA-Logo-placeholder-_384x70imagesCAXHRYHW

Leia o restante desse texto »


Trens Rápidos Com Problemas na China

26 de abril de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Política | Tags: , , | 12 Comentários »

 

Por: Paulo Yokota Seção: Economia e Política Tags:

São muitas as notícias, inclusive da China, informando que existem problemas na execução do grande programa de trens rápidos por todo o país. The Washington Post informa que Liu Zhuijun, que era o ministro das ferrovias e está sendo investigado, tinha um projeto de US$ 300 bilhões que está sendo revisto, tanto em termos de velocidade que está sendo reduzida, como pelos elevados prejuízos por falta de passageiros dispostos a pagar as tarifas necessárias. O ambicioso projeto chinês visava demonstrar a tecnologia alcançada pelos chineses para competir nos mercados internacionais, inclusive nos Estados Unidos. Ainda que seus custos sejam menores que os de outros fornecedores, muitas desapropriações foram necessárias, que costumam custar mais em outros países.

Os trens rápidos são projetos capital intensivos e há necessidade de uma demanda substancial, atendendo massas concentradas de passageiros de alto poder aquisitivo, que utilizam tais sistemas de forma frequente.

Trem rápido chinês bate recorde de velocidadeTrem rápido chinês

Leia o restante desse texto »


Ponto de Inflexão no Japão

18 de abril de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Política | Tags: , , | 8 Comentários »

Todos concordam que o desastre natural do último dia 11 de março no Japão deve provocar significativas mudanças naquele país, assuntos que estão sendo estudados por importantes analistas políticos. A revista Foreign Affairs é considerada das mais prestigiosas no mundo no campo da geopolítica, e um artigo de Michael J. Green, com o título “Tokyo’s Turning Point” (Ponto de inflexão de Tóquio), expressa alguns pontos de vista que devem ser considerados. O primeiro que já vem sendo expresso por este site reconhece a fragilidade humana diante da força da natureza, mesmo num país considerado dos mais preparados para os desastres naturais.

O artigo reconhece a população japonesa é relativamente idosa, que foi mais vitimada, e a política japonesa está instável com seis primeiros-ministros nos últimos cinco anos, que o Japão depende da energia nuclear não contando com outras fontes e o débito publico japonês é elevado. Mas o desastre revelou o vigor da economia japonesa e o caráter nacional como o seu estoicismo, levando muitos a reconhecerem que o país reconstruído voltará a dar a sua contribuição internacional, fortalecendo algumas de suas relações externas, como a aliança com os Estados Unidos.

hillary-clinton-takeaki-matsumoto-2011-3-15-5-41-9foreignaffairs

Takeaki Matsumoto e Hilary Clinton

Leia o restante desse texto »


Possíveis Problemas do Governo com a Vale

10 de março de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Política | Tags: , ,

Muitos jornais noticiaram estes problemas entre o governo e a Vale, mas a Folha de S.Paulo dedicou uma página para tratar do assunto com ênfase, utilizando fotos e gráficos. O DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral, órgão do Ministério de Minas e Energia cobra da Vale uma dívida de R$ 3,9 bilhões relacionados com as diferenças de cálculos dos royalties, que no Brasil é chamado de CFEM – Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, sobre as extrações feitas no Estado do Pará e em Minas Gerais.

A Vale era uma empresa estatal que foi privatizada, mas conta com importantes participações de órgãos vinculados ao governo, como fundos de pensões, além de financiamentos de entidades oficiais. O seu atual presidente, Roger Agnelli, foi indicado pelo Bradesco, um dos seus principais acionistas. Já se noticiou que ele seria substituído, pois o governo entende que os minérios brasileiros devem ser processados mais no país, adicionando valor, o que está sendo programado para o futuro com a instalação de usinas siderurgias comandadas pela Vale.

5-carajas

Leia o restante desse texto »


Os Efeitos dos Problemas Árabes na Ásia

18 de fevereiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Política | Tags:

Os problemas dos árabes, que começaram na Tunísia e acabaram provocando conseqüências mais sérias no Egito, ainda estão se espalhando por outros países. Países asiáticos que contam com regimes autoritários, que podem sofrer problemas semelhantes, estão em situações variadas. Os mais despóticos estão no Myanmar e na Coreia do Norte, e eles se sentem imunes aos poderes populares, segundo o The Economist. Mesmo na China, mais confiante, variam nas memórias das pessoas os acontecimentos de Cairo, esperando-se que elas sejam mais suaves.

Na Ásia Central, mais próxima do ponto de vista geográfico, com culturas e religiões similares do Oriente Médio, as ressonâncias podem ser mais ouvidas. Os acontecimentos recentes estão na memória de todos. A China veio dando maior prioridade ao desenvolvimento econômico do que à liberdade. Mas mesmo os analistas ocidentais concedem que os chineses estejam beneficiando de alguma forma suas populações, ainda que de forma diferente da desejada pelos ocidentais. Mas as lembranças dos massacres de 1989 no Tiananmen continuam presentes.

images egito

População foi às ruas para derrubar o ditador Hosni Mubarak, no Egito

Leia o restante desse texto »


Discutindo a Carreira de Xi Jinping

18 de fevereiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Política | Tags: , , ,

Um artigo um tanto irônico publicado por Edward Wong no The New York Times fornece alguns detalhes sobre parte da carreira de Xi Jinping, que caminha para ocupar a presidência da China, sucedendo a Hu Jintao. O passado destes atuais líderes chineses está sendo vasculhado pelos jornalistas na procura de algumas diferenças com a versão oficial. A matéria relata, com muita cautela, algumas nuances diferentes das constantes do livro de 2003 de Xi Jinping sobre a sua experiência do período de trabalho no campo na época da Revolução Cultura, que ele considerou vital para a sua formação com os agricultores. São relatadas as atuais dificuldades dos habitantes de Liangjiahe, na região central da China, para onde Xi Jinping foi deslocado no passado, por ser um filho de um herói local e alto dirigente chinês que caiu em desgraça naquela época.

De outro lado, a Reuters divulga um relato mais favorável a Xi Jinping, escrito por Paul Eckett, mais cuidadoso, baseado em muitos documentos recentes ainda não divulgados no WikiLeaks, com uma descrição mais simpática de sua carreira, destacando os relacionamentos com os Estados Unidos, seus pensamentos expressos a alguns diplomatas, com enfoque também para os seus parentes que vivem no exterior.

Xi-Jinping-articleInline mapa da vila de xi

Leia o restante desse texto »


Corrida Armamentista na Ásia

14 de fevereiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Política | Tags: , ,

wsj_logo Numa primeira cobertura de uma série envolvendo seus jornalistas Amol Sharma, de Nova Delhi, Jeremy Page, de Beijing, James Hookway, de Hanoi, e Rachel Pannett, de Camberra, o influente The Wall Street Journal relata a atual corrida armamentista que está ocorrendo na Ásia, com vizinhos reagindo às ações chinesas, com fartas ilustrações fotográficas. Informam que os indianos estão em plena produção de equipamentos militares acrescentando navios à sua marinha, inclusive submarinos. Um parlamentar indiano do partido situacionista, Ashwani Kumar, informa que a Índia não ficará aguardando para tomar medidas efetivas para salvaguarda de sua integridade territorial e seus interesses nacionais.

Da Arábia ao Oceano Pacífico, o aumento da importância econômica e militar da China e da região, e a consciência que os Estados Unidos parecem cada vez com menos dispostos a interferir na área, está provocando uma corrida armamentista. O Japão decidiu em dezembro último comprar navios, submarinos e aeronaves. Coreia e Vietnã estão ampliando o número de submarinos. A Malásia está aumentando a importação de armamentos. A Austrália planeja aumentar em US$ 279 bilhões os gastos com mesmos tipos de equipamentos nos próximos anos. No conjunto, os investimentos são os mais expressivos deste a época da Guerra Fria.

Leia o restante desse texto »


Aspectos Asiáticos Que Chamam a Nossa Atenção

10 de janeiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Política | Tags: , ,

É mais que natural que nossas atenções sejam voltadas ao rápido crescimento da economia chinesa bem como o aumento de sua presença mundial nas últimas décadas. Mas, para uma avaliação equilibrada, é preciso levar também em consideração os problemas que enfrenta e procura suavizar as reações que provocam no exterior. Os chineses já são tão importantes que incomodam a todos, principalmente aos seus vizinhos. Num artigo publicado no Financial Times, seu vice-premiê Li Keqiang procura enfatizar que o crescimento chinês está ajudando a economia mundial, bem como seus vizinhos.

Ao mesmo tempo, no China Daily, Mu Guangzong chama a atenção para o problema das necessidades emocionais e espirituais da grande massa de populações da terceira idade daquele país. Os acima de 60 anos já superam 160 milhões de habitantes, e somente os estão empregados nas empresas estatais contam com assistências sociais adequadas.

Li Keqiang

Vice-premiê chinês Li Keqiang

Leia o restante desse texto »


Reconhecimento dos Limites do Desenvolvimento Chinês

7 de janeiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Política | Tags: ,

Num artigo publicado por Frank Ching jornalista de Hong Kong, publicado no The Japan Times procura identificar alguns sinais que mostrariam que os chineses estão, aos poucos, mudando suas atitudes que poderiam ser consideradas arrogantes com o seu desenvolvimento surpreendente nas três últimas décadas. Deve se reconhecer que a China ainda não atingiu a importância econômica dos Estados Unidos nem o seu poder militar, segundo o autor. O premiê Hu Jintao está programado para visitar os Estados Unidos neste mês.

O diretor geral do departamento de Planejamento Político do Ministério do Exterior da China, Le Yucheng, reconheceu que “a China está muito atrás de muitos países desenvolvidos, quanto mais dos Estados Unidos”. O País do Meio chegou ao segundo PIB, mas ainda em termos per capita está no centésimo lugar, com 150 milhões de chineses vivendo na pobreza, segundo os padrões da ONU. A China não possui ainda porta-aviões. “Assim, nós precisamos ter um claro entendimento de nossa posição”.

Hu_Jintao_(Cropped)

Premiê chinês Hu Jintao

Leia o restante desse texto »


The Economist Escreve Sobre a Dilma Rousseff

4 de janeiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Política | Tags: , ,

409px-Dilma_Rousseff_possession Na composição do ministério de Dilma Rousseff, The Economist vê que ela conseguiu um trabalho razoável, atendendo as demandas do seu partido e da coligação que a apoia. Atendeu as necessidades de equilíbrio regional, ideológico com cerca de um terço de mulheres como ela queria. Fazendo Antonio Palocci como o chefe de sua equipe, mostrou a sua autoconfiança. Muitos não acreditavam que ela colocaria uma figura importante numa posição chave. Colocando Alexandre Tombini no Banco Central, mostrou aos investidores que manterá uma economia ortodoxa. Dá continuidade a Lula da Silva, mas com sua marca pessoal.

Ela gerenciará no sentido da eliminação da pobreza extrema, melhorando a qualidade de vida, da saúde e da educação, mantendo a estabilidade econômica e a inflação baixa.

Leia o restante desse texto »