Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Informações Adicionais Sobre o Matchá

17 de fevereiro de 2016
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais e Notícias, Gastronomia | Tags: , , , | 2 Comentários »

clip_image002O excesso de divulgações comerciais sobre os diferentes usos do matchá parece estar provocando algumas distorções, esquecendo-se de que o seu uso começou nas cerimônias de chá, que se destinavam para introspecções, visando o aperfeiçoamento das funções mentais.

As cerimônias de chá são complexos ritos repletos de protocolos, com várias “escolas” para a sua prática, sendo mais para a alma do que para o corpo

Leia o restante desse texto »


Benefícios do Wasabi

11 de dezembro de 2014
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Gastronomia, Notícias, Saúde | Tags: , ,

Um interessante artigo publicado por Evie Lund no The Japan Today, com informações provenientes do wasabi.net e organicfacts.net, fornece dados sobre os efeitos medicinais do wasabi, que é uma planta da família brassicacae que inclui também a mostarda e a raiz forte, com os quais não se confunde. Lamentavelmente, no Brasil só se dispõe do chamado wasabi, uma mistura de mostarda, rábano e corante alimentar, que é vendido em tubos ou servido com o sushi ou sashimi nos restaurantes. O wasabi é uma espécie de raiz, que só pode ser cultivada em terreno com águas correntes límpidas, e deve ser usado ralado, perdendo o seu poder muito rapidamente, sendo muito caro também no Japão, e servido somente em estabelecimentos de luxo.

clip_image001

O verdadeiro wasaki que só pode ser cultivado em terras com águas límpidas e nada tem a ver com os vendidos com este nome que se obtêm em tubos ou em pó, lamentavelmente

Nos bons restaurantes do Japão, o wasaki é servido ralado destes tubérculos, para serem consumidos rapidamente. Provocam uma reação rápida nas narinas e possuem a qualidade de ajudar a manter os alimentos saudáveis. Podem ser um pouco forte para os que não estão acostumados com o seu consumo.

O artigo informa que o wasabi provoca alguns efeitos interessantes para a saúde. Ele evita a intoxicação alimentar, pois contém isotiocianato de alilo, um potente bactericida. Além de ser consumido com peixes crus, como o sashimi e o sushi, recomendam-se o seu uso nas caixas de bento para ajudar a manter os alimentos livres de quaisquer esporos de fungo. O gengibre também ajuda nesta função e costuma ser servido como conserva, e, ao lado da sopa de missô, ajuda a manter o aparelho digestivo em ordem.

Um segundo motivo é que o wasabi ajuda a manter os seres humanos jovens, na medida em que o sulfinito liberado por ele ralado é um antioxidante poderoso. Evita o envelhecimento precoce e reduz o oxigênio reativo do corpo. Acaba evitando o cancro, que provoca o envelhecimento natural.

O wasabi poderia ajudar a prevenir certos tipos de câncer, pois o seu composto chamado 6 MSITC tem propriedades anti-inflamatórias, e proporcionam a defesa do hospedeiro de células cancerígenas. Este componente também trabalha para inibir a agregação plaquetária em coágulos sanguíneos, reduzindo problemas cardíacos e neurológicos.

O wasabi ajuda a limpar o peito bloqueado a partir de um resfriado, gripe ou alergias. A liberação gasosa do isotiocianato de alilo ajuda a combater as bactérias nos tratos respiratórios. É preciso que se atente se estiver usando um medicamento que é metabolizado pelo fígado, pois o wasabi em excesso pode interferir nestas funções de forma imprevisível.

É lamentável que o wasabi ainda não seja cultivado no Brasil. O máximo que se consegue é a raiz forte, que é consumida muito pelas populações de origem europeia.


Novo Centro de Pesquisa da Nestlé em Cingapura

10 de Maio de 2014
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Notícias, Saúde | Tags: , , ,

Um interessante artigo acaba de ser publicado por Tomomi Kikuchi no site do Nikkei Asian Review informando sobre o projeto da gigantesca alimentícia Nestlé em colaboração com as autoridades de Cingapura. Antecipando ao crescimento da classe média no Sudeste Asiático, a Nestlé está estabelecendo uma equipe com a Singapure’s Agency for Science, Technology and Research para estudar a tradicional técnica de fermentação de alimentos do Sudeste Asiático. Este site já escreveu sobre a suspeita que as fermentações de alimentos ajudam a aumentar o seu poder nutritivo, e parece que a idade média elevada dos asiáticos está influenciada por consumos de produtos como o shoyu e o missô.

A maior fabricante de alimentos do mundo, a Nestlé, de origem suíça, está constatando que o mercado europeu está estagnado e o Sudeste Asiático já supera a sua dimensão, com potencialidade para continuidade do seu crescimento. Como Cingapura é um pequeno país que conta com populações de origem chinesa, malaia, hindu e outras, seria uma localidade para testar uma nova linha de produtos que apresentem qualidade de nutrição e sabores atraentes, além dos tradicionais daquela empresa de alimentos e bebidas. O foco dos trabalhos seria estudar como várias enzimas afetam as reações químicas nos alimentos, e simular o que acontece no corpo humano.

Print

Leia o restante desse texto »