Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Celulares “Galápagos” e Celulares Inteligentes

18 de Maio de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Notícias | Tags: , ,

Ainda que a expressão “galápagos” empregada pelos japoneses, referindo-se ao modelo especial utilizado no Japão que não tem similar no exterior, por exemplo nos telefones celulares, não agrade a todos, o jornal econômico Nikkei, o de maior tiragem no mundo, continua utilizando-a. Eles informam que os seus celulares regulares estão sendo substituídos pelos smartphones, os telefones inteligentes. É preciso insistir que o Japão é um arquipélago e um satélite pode atender os celulares de todo o país, permitindo um custo mais baixo que os telefones fixos, mantendo-os isolados das influências externas. Agora, os operadores locais como a DoCoMo da NTT e KDDI estão voltando seus focos para os smartphones, mais lucrativos.

DoCoMo passa a entregar cerca de um terço de smartphones do que fazia anteriormente com os celulares convencionais, e algo semelhante ocorre com a KDDI. Eles precisam competir com o iPhone, da Apple, que a Softbank está colocando como seu agente local.

Nni20110518D18HH018104067

Está havendo uma queda das receitas das operadoras japonesas, tanto com as taxas de comunicação como prejuízos para os serviços de vozes. Eles precisam de mais consumidores utilizando dados no smartphones, cujos gastos mensais são cerca de 50% superiores.

Os smartphones representavam cerca de 25% do mercado japonês de telefones celulares no último trimestre de 2010. O dado saltou para 45% no primeiro trimestre deste ano, e seus preços decresceram para cerca de um terço dos celulares regulares, no mesmo período. Repito, a notícia informa que os smartphone estão custando menos que os normais.

Os competidores estrangeiros, principalmente os coreanos, como a Samsung e a LG, estão vendendo por 30 a 40% menos que os preços dos japoneses. A Samsung vende cerca de 200 milhões e a LG cerca de 100 milhões, enquanto os japoneses conseguem somente cerca de 10 milhões de unidades, dando aos concorrentes as vantagens das escalas.

Os analistas de instituições financeiras internacionais informam que reorganizações futuras entre os produtores japoneses são inevitáveis.

O que está acontecendo no Extremo Oriente deve servir de alerta para o resto do mundo, pois as alterações nestes mercados estão ocorrendo a velocidades incríveis, e as escalas envolvidas são bem superiores as que se encontram em partas partes do universo.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: