Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Conhecer o Japão Com Muitas Economias

23 de Abril de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Turismo | Tags: , | 4 Comentários »

É natural que haja uma retração muito elevada de turistas estrangeiros nesta alta temporada japonesa, desde a primavera até o outono do Japão. Exatamente porque existem resistências psicológicas em decorrência das radiações que continuam ocorrendo em Fukushima Daiichi, que nunca foi a região-alvo dos turistas. Assim, surge a oportunidade de fazer uma visita mais em conta por outras regiões daquele país. Um programa da NHK, a televisão oficial japonesa, mostrou como um dirigente de uma agência de Hong Kong está aproveitando esta oportunidade, visitando pessoalmente Tóquio e outras regiões mais ao sul do Japão, para constatar como está a vida japonesa real, que já voltou ao normal.

Os voos estão mais fáceis de serem obtidos, os custos de muitas passagens estão mais baixos e novas empresas estão voando da América do Sul com serviços esmerados, com variadas escalas na Europa, Oriente Médio e em interessantes cidades asiáticas. Nada como o aumento da concorrência dos prestadores de serviços. Permitem que se conheçam também outros centros importantes do ponto de vista turístico, como Barcelona ou Cingapura.

Os hotéis em Tóquio chegam a apresentar pacotes que permitem cerca de 80% de redução sobre seus custos normais das diárias, segundo o jornal Nikkei.

imagesCA07B5JA imagesCAPCX083 imagesCABHKOXM

Os turistas sempre se mostraram mais interessados nas proximidades de Tóquio, Quioto (a antiga capital) e até mais ao sul, como Hiroshima (com seu museu da bomba atômica), Nagasaki (onde os holandeses mantiveram instalações mesmo no longo período de isolamento do Japão), Fukuoka (onde os japoneses aprenderam as artes chinesas por intermédio dos coreanos, como as cerâmicas) e Okinawa (que é uma área tropical), todos onde os riscos são equivalentes aos de São Paulo ou Rio de Janeiro. São áreas onde pode se notar hoje que as pessoas já voltaram à sua vida normal, ainda que economizando energia no calor e alta umidade, com os quais estão acostumados os cariocas, baianos, nordestinos no geral e principalmente os habitantes da Amazônia ou Centro Oeste do Brasil.

Mas as regiões montanhosas do Japão, como Karuizawa (uma espécie de Campos do Jordão de alto luxo, onde o atual Imperador conheceu a Imperatriz jogando tênis), ou outras como Nikko, famosa pelos seus templos, que normalmente estão sobrecarregadas de turistas estrangeiros, podem ser visitadas com maior tranquilidade. Mesmo Quioto, com todas as suas atrações, comporta visitas mais sossegadas, sem todos os atropelos normais.

Para os que desejam conhecer o Japão profundo pode-se sugerir Takayama (conhecida como Little Kyoto) voltando pela antiga rota que ligava o oeste ao leste japonês (onde estão preservadas as construções mais antigas, como Ouro Preto), passando pelos chamados Alpes daquele país, até chegar à Nagoya, visitando inclusive o amplo museu Taisho, onde estão preservadas as antigas construções japonesas da época, inclusive a casa de um imigrante nipônico no Vale do Ribeira, Brasil.

Não se pode perder uma viagem utilizando o Shinkansen (o trem rápido japonês) e se o turista tiver a sorte de um dia límpido indo de Tóquio em direção ao sul, uma visão inesquecível do Monte Fuji. Os restaurantes mais finos, onde as reservas são difíceis de serem obtidas podem ser conseguidas com maior facilidade, para apreciar o autêntico sushi, tempura, Kaiseki Ryori ou Shojin Ryori, cujas explicações foram postadas neste site.

Inclusive para ver como os brasileiros estão vivendo atualmente no Japão, há alguns sites, como o www.web-town.org/, que permitem constatar a volta da vida à normalidade, com as naturais limitações de suprimento de energia.


4 Comentários para “Conhecer o Japão Com Muitas Economias”

  1. Carlos Silva
    1  escreveu às 20:22 em 23 de Abril de 2011:

    Após a reconstrução, não tenho dúvidas de que o Japão voltará a receber muitos turistas.

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 20:33 em 23 de Abril de 2011:

    Caro Carlos Silva,

    A reconstrução da infraestrutura já está praticamente concluida. Ainda falta resolver o problema da usina de Fukushima Daiichi e dos alojamentos definitivos das populações atingidas, que está sendo preparada a grande velocidade. Muitos turistas continuam visitando o Japão, e o nordeste daquele país não é muito procurado normalmente.

    Paulo Yokota

  3. Milton
    3  escreveu às 12:01 em 25 de Abril de 2011:

    Pois é, mas recentemente vi uma reportagem na NHK que dizia justamente o contrário…
    Neste feriado de “golden week” muitos japoneses estão optado em ficar em casa, segundo a reportagem a maioria dizia que sentia remorso em sair de férias.
    Certamente a recuperação virá, mas o consumo interno demorará a se recuperar.
    A questão é a dívida publica, o p.ministro Naoto Kan disse que possivelmente será necessário a emissão de novos bônus junto com um aumento de impostos.
    A retração no consumo não é um fenômeno recente naquele país, aconteciam há muito tempo, apesar da recuperação nos últimos anos o problema jamais foi inteiramente solucionado, em parte devido ao envelhecimento da população e a situação fiscal do governo japonês, ambos pendentes de uma solução.

    Pergunto, o envelhecimento do povo japonês não é um fator crítico que deverá agravar a situação?
    Nos EUA existe a opção de se expandir a entrada de novos imigrantes e a Europa tem a mão de obra barata do leste europeu, mas o Japão não tem essas duas opções, devido as restrições culturais.

  4. Paulo Yokota
    4  escreveu às 18:01 em 25 de Abril de 2011:

    Caro Milton,

    Os japoneses sempre tiveram a cultura de poupar para as eventualidades, procurando não ostentar quando o país passa por dificuldades. Não há dúvidas que o envelhecimento relativo da população acelera esta cautela, não somente no Japão. Por isto o fluxo de turistas, principalmente da Ásia ajudava no processo de sua recuperação. Muitos investimentos estavam sendo feito no exterior, e agora terão que concentrá-los na reconstrução, que deve provocar um efeito multiplicador. Os japoneses também contavam com a ajuda da mão de obra dos seus vizinhos asiáticos, bem como dos brasileiros, pois o retorno deles é pequeno comparado com os que permanecem no Japão.
    Até o Brasil tem previsão de redução da sua população dentro de cerca de 30 anos. É a vantagem que a Índia tem com relação à China, que também está se tornando relativamente idosa.
    Os idosos japoneses voltarão a consumir, mas vai levar algum tempo. Eles dependem da exportação que continuará a ocorrer para os mercados emergentes.
    A dívida pública japonesa é totalmente financiada pelos próprios japoneses, diferindo dos Estados Unidos e da Europa que dependem também de recursos externos, como a América Latina, e seus juros são baixos e os prazos longos. Os consumidores e as empresas japonesas não estão endividados acima da média, somente o setor público.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: