Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Doze Anos do Valor Econômico com um Suplemento

2 de Maio de 2012
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , ,

“É esse o caminho?”, é o artigo introdutório da Claudia Safatle, diretora-adjunta de redação do Valor Econômico, ela que está sediada em Brasília, para o interessante suplemento com que pretendem marcar os doze anos do jornal. Foram formuladas doze perguntas a analistas, muitos acadêmicos, sobre os “Rumos da Economia”, que, apesar das discordâncias que possam ser colocadas, procuram cobrir as questões que atormentam os seus leitores. Muitas outras poderiam ser formuladas, e sempre haverá polêmicas sobre as questões fundamentais da atual economia brasileira.

Segundo Claudia Safatle, a questão que sintetiza uma das maiores preocupações da indústria e do governo é como conviver com a valorização do real que se apresenta como tendência de longo prazo, o que também pode ser questionado, mas não deixa de ser um ponto de vista respeitável. Isto só ocorreria com o sucesso do desenvolvimento brasileiro, onde a sua produtividade na exploração dos recursos naturais em geral fossem superior ao do resto da economia mundial. Na capa do suplemento, foram colocadas as tendências do câmbio real, com relação ao dólar e uma cesta de moeda, as metas e comportamento da inflação e a evolução do peso da indústria na economia brasileira, comparada com a de alguns países em 2010.

imagemPY

A pergunta sobre o câmbio foi: como conviver com a valorização do real, que se apresenta como tendência de longo prazo? Marcio G.P. Garcia, da Universidade de Brasília, tenta responder com o artigo “O real forte não é tão indesejável quanto parece”. E José Luis Oreiro, da Universidade Brasília, com “Câmbio valorizado decorre de uma decisão do governo”. Sobre juros: até onde os juros podem cair? O que é preciso para que o país tenha taxas mais civilizadas? Alexandre Schwartzman, ex-diretor do BC, respondeu com “Taxas seguirão entre as mais altas do mundo” e Fernando Cardim, da UFRJ, com “A caminho da normalização monetária”.

Sobre crédito, perguntou-se: quando e em que condições o Brasil poderá ter financiamentos de longo prazo? Monica Baumgarten de Bolle, da PUC-Rio, respondeu com “Um modelo dominado pelo crédito público”. Sobre a desindustrialização, perguntou-se: ela é inevitável frente às escolhas feitas pelo Brasil na condução da economia? Renato Fragelli Cardoso, da pós-graduação da FGV, respondeu com “Indústria depende de escolhas impopulares” e Fernando Sarti, da Unicamp, com “Saídas são demanda interna e investimento”.

Sobre energia, perguntou-se sobre petróleo e alternativas limpas, e Nivaldo José do Castro, Roberto Brandão e Guilherme de A.Dantas, da UFRJ, responderam com “Energia em busca de alternativas renováveis”. Sobre corrupção, perguntou-se: qual a sua dimensão e forma de combatê-la. Responderam Fernando Figueiras, da UFMG, com “É fundamental combater a impunidade” e Marcus André Melo, da UFP, e Carlos Pereira, da FGV, com “Eleger os que ‘fazem, mas não roubam’”.

Sobre política, perguntou-se sobre o peso da federação para as reformas e Marta Arretche, da USP, respondeu com “Mudanças ocorrem de forma lenta e incremental”. Sobre relações exteriores, o que o Brasil quer ser no mundo, respondeu o ex-embaixador Luiz Augusto de Castro Neves com “Desejo é de exercer um papel mais relevante”. Sobre educação: como vencer os problemas e os recursos? Respondeu Rudá Ricci, do Instituto Cultiva, com “Sistema perverso que privilegia quantidade”.

Sobre o G-8, perguntou-se para onde vão? Fabio Kanczuk, da FEA-USP, respondeu com “Juros reais negativos vão evaporar a dívida”. Sobre a China, perguntou-se como afetará o Brasil? Anna Jaguaribe, da UFRJ, respondeu com “Expansão favorece vários produtos do país” e finalmente foi publicada uma entrevista com Riordan Roett, da John Hopkins, que teve o título “Brasil tem sido sortudo com presidentes”.

Tanto as questões podem ser questionadas, como a falta relacionada com a infraestrutura, reforma fiscal, problemas previdenciários etc. bem como as respostas dadas. No entanto, acaba sendo um suplemento que exige uma leitura mais cuidadosa que demandará uma boa reflexão.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: