Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Eliezer Batista Construiu a Ponte Para o Oriente

21 de agosto de 2012
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , , | 3 Comentários »

O artigo publicado por Chico Santos no suplemento Eu & Cultura do jornal Valor Econômico de 21 de agosto, sobre algumas histórias contadas por Eliezer Batista, chegam a serem mais agradáveis que o livro “Conversa com Eliezer”, escrita por Luiz Cesar Faro, Carlos Pousa e Claudio Fernandez, em 2005. Foi para a empresa Sepetiba Tecon, ainda que este também seja informativo sobre a longa carreira do entrevistado. Isto parece decorrer da personalidade do entrevistado, mais dado a uma conversa humana, de uma personalidade rica na elaboração de sonhos. Algumas construídas com grandes esforços, superando os muitos obstáculos que foram sendo encontrados. As publicações que procuram atender encomendas de empresas tendem a se tornar exageradamente formais, além de serem influenciadas das tendências dos amigos que colaboraram com a personalidade, ainda que isto seja compreensível.

É difícil fazer Eliezer Batista escrever um artigo, mas ele se dispõe a conceder entrevistas que permitem um retrato de sua visão, passando pelo crivo do entrevistador. Seus sonhos só são concretizáveis quando conta com a retaguarda de uma organização como a Vale, que ele consolidou e possui uma grande e eficiente equipe, criada ao longo de décadas. Sua criatividade é imensa, e nem todas as suas ideias acabam sendo implementadas, mas são elaboradas de forma sistêmicas. No conjunto da sua obra, é preciso merecer, também, as visões de outros que participaram destes seus megaprojetos, que certamente não é produto do trabalho de um só homem, ainda que o papel de Eliezer Batista tenha sido fundamental em todos eles. O livro, com a sua necessidade de cobrir uma ampla gama de assuntos, não consegue dar o devido destaque ao que é mais importante para o Brasil e para o mundo como um todo, nas suas relações globalizadas.

Eliezer

Sempre existem aspectos de uma personalidade que acabam sendo ofuscados por outros que merecem mais destaque. Ainda que ele tenha sido pelas obras de engenharia, originalmente é um grande matemático, tanto que foi o único brasileiro membro da Academia de Ciências da URSS nesta qualidade.

Ele conseguiu, com rara persistência, consolidar um sistema logístico reunindo as necessidades de exportação da Vale com o projeto japonês de implantar a sua indústria siderúrgica. Contou com o apoio e a tecnologia da indústria japonesa de construção naval, que construiu os navios ore/oil que permitiam que o minério brasileiro chegasse ao Oriente de forma competitiva, tendo como carga de retorno o petróleo que vinha do Oriente Médio para atender as necessidades brasileiras de energia.

Foi com os muitos amigos que fez no Japão que consolidou este sistema logístico, que permitiu também a construção não só do sistema que trazia o minério de Minas Gerais para o porto de Tubarão, como depois de Carajás para o porto de Itaqui. Tudo foi financiado com os contratos de fornecimento do minério a longo prazo, com as ajudas do Banco Mundial e do então Eximbank do Japão. E acabou se consolidando com um porto asiático para abastecer outros países da Ásia, antes delas ganharem a atual projeção com a globalização.

É preciso reconhecer que Eliezer Batista trabalhou com muitos governos, até nos períodos difíceis para a economia brasileira, tendo sido marginalizado em alguns períodos, mas voltando a ocupar posições de destaque no Brasil. Nem sempre foi muito bem compreendido, mas construiu um grande legado ao país, mostrando que há possibilidade de um desenvolvimento sustentado, ainda que sempre se enfrente muitas dificuldades e limitações.

O livro só foi possível porque contou com autores que captaram suas conversas e contaram com a contribuição de muitos para juntar as fotos que ilustram este trabalho. Mesmo com suas limitações naturais, a abundância de informações prestadas por Eliezer Batista ajudam muitos a compreenderem parte do que foi feito com a sua ativa participação.


3 Comentários para “Eliezer Batista Construiu a Ponte Para o Oriente”

  1. ROWAN
    1  escreveu às 17:48 em 22 de agosto de 2012:

    Eliezer Batista é um exemplo de desenvolvimento, transformou a VALE, participou dos grandes projetos Cenibra, Aracruz Celulose, CST e muitos outros. É um visionário. Os Grandes Projetos da VALE, Tubarão e Carajás, tiveram a sua participação direta.

  2. marli santos.
    2  escreveu às 20:57 em 30 de dezembro de 2013:

    NA VIDA NOS DEPARAMOS COM PESSOAS COMUNS,MAS QUE SE FAZEM ESPECIAIS,ESPECIAIS SIM……NO MODO DE CATIVAR O OUTRO COM HUMILDADE.CONTINUE SENDO ESTA PESSOA,MARAVILHOSA QUE CONQUISTOU O MUNDO PELO SEU TALENTO,E CAPACIDADE……FELIZ ANO NOVO!….COM CARINHO MARLI SANTOS…

  3. Paulo Yokota
    3  escreveu às 09:07 em 2 de Janeiro de 2014:

    Cara Marli Santos,

    Obrigado pelos seus comentários. Vamos continuar todos trabalhando em 2014.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: