Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Alternativas Para os Problemas das Usinas de Fukushima

27 de Março de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Tecnologia | Tags: , ,

Ninguém pode duvidar que os japoneses possuam tecnologias avançadas em diversos setores, inclusive as relacionadas com as radiações, pois foram os únicos que sofreram os efeitos das bombas atômicas, havendo uma preocupação quase traumática sobre o assunto entre eles. E que elas estão sendo utilizadas para tentar equacionar os problemas das usinas de Fukushima Daiichi que preocupam todo o mundo, não somente os japoneses. Ninguém que esteja longe das dificuldades que eles enfrentam pode, irresponsavelmente, formular sugestões sem correr o risco de colocar questões que mais atrapalham que ajudam.

Mesmo assim, diante de um quadro insuficiente de informações, alguns engenheiros especializados em tecnologia estranham que algumas alternativas não estejam sendo utilizadas. Algumas tarefas executadas por especialistas acabam sendo interrompidas pelo elevado grau de radiação nos locais próximos ou dentro de setores das diversas usinas, afetando-os. Heróicos técnicos acabaram sendo internados em hospitais por terem sofrido lamentáveis danos com radiações, atrasando trabalhos que poderiam acelerar as medidas que poderiam evitar contaminações adicionais como continuam ocorrendo durante o domingo nas águas do mar na proximidade das usinas.

20101019-2 imagesCANMRHFA imagesCAQJSO5Y

Médicos analisam imagens à distância e robôs cada vez mais completos

Sabe-se que os japoneses estão entre os que possuem maiores avanços na robótica, destacando-se no mundo, sendo objeto de exposição no exterior para demonstrar suas melhores tecnologias. Certamente deve haver algum motivo ainda não esclarecido que impedem o uso de robôs para o desempenho de tarefas que podem prejudicar seres humanos. Seus avanços na transmissão de imagens de lugares adversos, como exemplo, na medicina, assombram a todos no mundo. Nos laboratórios da NHK houve oportunidade para verificar-se o uso de câmeras de alta definição com o sistema digital, que permitiam imagens de locais que não contavam com nenhuma iluminação, até em ambientes que tinham sofridos desabamentos, que podem ter o funcionamento prejudicado pela radiação. Deve haver fortes razões para que elas não sejam utilizadas para constatar os locais dos diversos vazamentos, como por exemplo, das águas contaminadas, mas as informações transmitidas pelo ministro Yukio Edano neste domingo indicam que eles possuem informações para afirmar que não há rachaduras internas na unidade 3 de Fukushima Daiichi, que mais preocupa por utilizar plutônio.

Sabe-se, pelos usos na medicina, que os materiais que evitam a disseminação de radiações são os produzidos com chumbo. Possivelmente existem razões que impedem o seu uso em grande escala no caso destes vazamentos.

Muitas são as vozes, inclusive de autoridades internacionais, que reclamam sobre a falta de total transparência nas informações divulgadas, ainda que autoridades japonesas venham se esforçando para prestá-las com a urgência possível e frequência. Resta à impressão que muitas autoridades envolvidas estão atrapalhadas com diversas alternativas que foram utilizadas, que não resultaram nos efeitos desejados.

Todas as pessoas responsáveis sabem que sempre existem difíceis opções a serem adotadas, com diferentes custos/benefícios. Sempre é fácil formular sugestões sem a responsabilidade de sua execução, mas tudo indica que o intercâmbio internacional de experiências poderia diminuir a impressão da falta de transparência que deve estar preocupando as autoridades japonesas, neste momento inusitadamente difícil.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: