Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Isidoro Yamanaka e a Herança Cultural de um Nikkey

11 de outubro de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Economia, Editoriais, Livros e Filmes, Notícias, Política | Tags: ,

Acabei de receber um livro com muitas informações importantes, escrito pelo meu amigo Isidoro Yamanaka, agrônomo, que é a sua biografia que leva o título “Herança Cultural de Um Nikkey – Brasil e Japão”, editado pela Editora Paulo’s, 2013, São Paulo. Só tive tempo para uma primeira folheada, o suficiente para notar que tem um rico conteúdo que merece uma leitura com todo o cuidado. Nascido em Bastos, em 1935, entre outros episódios importantes, relata os problemas que ocorreram depois do término da Segunda Guerra Mundial, onde seu pai era um dos alvos preferenciais dos terroristas que acreditavam que o Japão ganhou a guerra, considerando traidores outros que pensavam de forma diferente. A região estava entre as mais dramáticas do Brasil onde estes lamentáveis acontecimentos ocorreram. Toda a sua vida foi dedicada até agora à agricultura e os intercâmbios com o Japão.

Ele atuou em variadas frentes, inicialmente ajudando o seu pai nas atividades de recepção dos novos imigrantes vindos do Japão depois da guerra, muitos deles acolhidos pela CAC – Cooperativa Agrícola de Cotia, que lamentavelmente acabou dissolvida por um amplo conjunto de causas. Formado em agronomia pela consagrada Escola de Agronomia Luiz de Queiroz, criou relacionamentos importantes, atuando tanto no governo do Estado de São Paulo, como no nível federal. Seu profundo relacionamento com importantes autoridades, onde pode ser destacado o ministro Michio Watanabe, permitiu que contribuísse de forma notável num dos projetos mais importantes de cooperação bilateral, que foi o do desenvolvimento dos cerrados brasileiros.

yamanaka

Leia o restante desse texto »


O Universo Infantil em Hirokazu Kore-eda

21 de maio de 2012
Por: Naomi Doy | Seção: Depoimentos, Livros e Filmes, webtown | Tags: , , ,

Considerado por alguns como herdeiro cinematográfico de Yasujiro Ozu, o diretor Hirokazu Kore-eda igualmente preza temas sociais que envolvem laços de família e relações humanas complexas. Seu mais recente filme, Kiseki – O que eu mais desejo, 2011, que acaba de estrear em São Paulo, fala de adoráveis crianças, focalizando o universo infantil numa releitura ao mesmo tempo muito similar e bem diversa da concebida por Ozu, por exemplo, em Ohayoh (Bom dia), 1959.

Como Ozu, Kore-eda é fã de trens e ferrovias, mas não mais os lentos e românticos trens que iam e vinham carregando sonhos, esperanças e saudades. Kore-eda quis documentar a chegada dos trens balas Tsubame e Sakura que iriam ligar as cidades na Ilha de Kyushu de Fukuoka (ao norte) e Kagoshima (ao sul). Para isso, usou a história de dois irmãos vivendo separados, naquelas cidades, após o divórcio dos pais. O anseio do irmão mais velho é ver a família reunida de novo. Ao ouvir sobre lenda de que desejos se realizariam se pedidos fossem feitos na interseção de dois trens-balas, vindos de direções opostas, o garoto Koichi resolve levar avante plano de se encontrar com o irmão mais novo, Ryu, no meio caminho onde os trens passariam pelo outro em grande velocidade. Cada qual recebe adesão de colegas de classe, todos eles trazendo desejos ancorados em anseios que abrandariam problemas em suas tenras vidas: sagrar-se astro de baseball seguindo os rastros do ídolo Ichiro Suzuki, do Seattle Mariners; virar celebridade cintilante do show biz como as estrelas do Arashi ou AKB 48; tornar-se designer ou maratonista de ponta etc.

untitledimagesCARSZXK0

Cenas do filme O que eu mais desejo,

vulcaoimagesCA5REVP6

Vulcão Sakurajima /  Kyushu Shinkansen, tsubame-sakura

Leia o restante desse texto »


China Comentada por Henry Kissinger

7 de julho de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Cultura, Livros e Filmes | Tags: , , , | 4 Comentários »

Ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1973 e laureado recentemente pela Ásia Society, em Washington, Henry Kissinger esteve em Beijing em fins de junho. Como convidado do Instituto de Assuntos Estrangeiros da China, participou de vários encontros públicos e privados comemorativos por seus trabalhos pela aproximação entre o Ocidente e a Ásia ao longo de 40 anos. Kissinger falou também sobre o lançamento do seu mais recente livro, On China.

O livro nos dá criteriosos e detalhados pareceres sobre as relações sino-americanos durante os anos em que Kissinger serviu como conselheiro político, formal ou informal, para todos os presidentes americanos, desde Kennedy e Johnson, e se encontrando com quatro gerações de líderes chineses: Mao Zedong, Zhou Enlai, Deng Xiaoping e Jiang Zemin. Kissinger, que era conselheiro para Assuntos de Segurança Nacional do presidente Richard Nixon, e mais tarde seu secretário de Estado, reconta os momentos memoráveis das 48 horas que ele passou em Beijing em julho de 1971, durante a sua secreta missão para quebrar o gelo nas relações China-EUA, e que culminaria com a histórica visita de Nixon à China em fevereiro de 1972.

470_kissinger_ap_110618on-china

Leia o restante desse texto »


A Civilização Segundo Niall Ferguson

6 de junho de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Cultura, Livros e Filmes | Tags: , , , , | 2 Comentários »

Quando começou a se falar da China como provável grande potência econômica a ultrapassar os EUA, dois livros respondem as muitas perguntas sobre o caminhar do mundo contemporâneo: Monsoon – The Indian Ocean and the Future of American Power, de Robert D. Kaplan, Ed. Random House, outubro/2010 (já comentado neste site, Paulo Yokota, 1º de junho de 2011), e Civilization – The West and the Rest, de Niall Ferguson, Ed. Allen Lane, fevereiro/2011.

Escocês de nascimento, Niall Ferguson, 47 anos, badalado acadêmico e comunicador midiático, é professor de história na Universidade de Harvard e no London School of Economics, além de consultor na Universidade Stanford, Califórnia. Para ele, a China será inevitavelmente a maior economia mundial em menos de 10 anos. Mas não estaremos retornando aos tempos de 1411 (o apogeu da supremacia chinesa durante a Dinastia Ming), porque, pela primeira vez na era moderna, haverá uma paridade real entre os diferentes poderes no mundo.

imagesCAXZNJM7Niall_Ferguson_Civilization

Leia o restante desse texto »


Poesia Descortina Mundo Que Nos Aliena

2 de março de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Livros e Filmes | Tags: , ,

Uma idosa que se propõe a escrever poesia. Que tema mais prosaico para se fazer filme. Entretanto, o coreano Lee Chang-dong conta uma história instigante e imprevisível, de atualíssima realidade. Sem impor lição moral, num filme imbuído de muita sabedoria e moral, ele nos faz acompanhar com empatia uma delicada senhora de 66 anos, Yang Mija (atriz Yoon Jeong-hee), que luta para se manter decentemente, a ela e ao neto adolescente, Wook (Lee David). Não contando, aparentemente, com ajuda da mãe dele que vive e trabalha em outra cidade, Mija cuida de idoso incapacitado para complementar pensão que recebe do governo. Com pequenos lapsos de memória, ela é diagnosticada com mal de Alzheimer em estágio inicial; quase ao mesmo tempo, se conscientiza que seu neto poderia estar envolvido no caso de menina que se suicidara, atirando-se de ponte no rio da pequena cidade; ela vinha sofrendo contínuo e atroz bullying por parte de seis rapazes, colegas da mesma classe.

untitledimagesCAB3XQP6imagesCAR0GU3T

Yoon Jeong-hee em cenas do filme

Leia o restante desse texto »


Filme Japonês é Premiado no Festival de Berlim

21 de fevereiro de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Livros e Filmes | Tags: , , ,

Pelo terceiro ano consecutivo, um filme japonês recebe o prêmio da Federação Internacional de Críticos de Cinema, no 61º Festival de Cinema de Berlim. Os anteriores foram Parade, de Isao Yukisada (2008), e Love Exposure, de Shion Sono (2009). Heaven’s Story, do diretor e ex-produtor porno-soft Takahisa Zêze, é um drama épico de quatro horas e meia, que retrata vida de uma dezena de personagens cuja tragédia comum é a violência traumática a que são submetidas pessoas que tiveram entes queridos assassinados.

Dizendo-se profundamente comovido com a apreciação que o filme recebeu da audiência internacional, Takahisa Zêze acrescentou que se baseou em ocorrências reais acontecidas no Japão nesta última década. Enquanto filmava, ponderou sobre como as pessoas deveriam encarar a vida, apesar da crueza a que possam ser jogadas. O filme tenta refletir sobre o abismo a que estamos todos caminhando. Zêze almejaria que pudéssemos evitá-lo, “antes que o mundo seja destruído pelo ódio”.

zeze04  zeze zeze01 copy

Cenas do filme Heaven’s Story, de Takahisa Zêze

Leia o restante desse texto »


Obras-Primas da Literatura Japonesa

2 de fevereiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Livros e Filmes | Tags: , , , | 4 Comentários »

 

images O livro “Kappa e o Levante imaginário”, de Ryonosuke Akutagawa, foi publicado em 2010 na versão em português, pela Editora Estação Liberdade, São Paulo, com uma excepcionalmente feliz tradução e prefácio do Shintaro Hayashi, um colega meu de infância. Ele é de uma família fortemente ligada ao que existe de melhor na literatura japonesa, pois sua mãe é irmã de um consagrado autor. E sua irmã Leiko Gotoda (Hayashi quando solteira) foi que traduziu para o português o épico “Musashi”, de Eiji Yoshikawa, maior sucesso editorial da literatura japonesa no Brasil. Não entendo porque eles não são mais aproveitados pelos seus conhecimentos culturais pelas entidades que deveriam estar voltadas à divulgação da literatura japonesa entre nós.

Ouvi, pela primeira vez, do Dr. Tadao Sonoda, que o filme “Rashomon”, de Akira Kurosawa estava baseado em dois contos de Ryunosuke Akutagawa. Um como o mesmo nome “Rashomon” e outro “No Matagal”, ambos constante desta preciosa publicação. O Prefácio de Shintaro Hayashi explica, com competência, tudo que precisamos saber sobre o autor e seus trabalhos.

Leia o restante desse texto »


Haruki Murakami Ensina Como Superar Pressões

1 de fevereiro de 2011
Por: Naomi Doy | Seção: Livros e Filmes | Tags: , , , , | 1 Comentário »

Decidida a conferir por que livros de Haruki Murakami se tornam blockbuster instantâneo entre jovens, comecei com aquele cujo título me atraía e atingia 20 milhões de exemplares no Japão: Norwegian Wood, 1987 (Portugal: Civilização Edit. – 2004), da canção-título dos meus eternos ídolos. Na canção de 1965, que faz o protagonista do livro se lembrar de ex-amada, Norwegian wood é madeira de pinho boa para mobília e para lenha de lareira; Lennon nos transmite sensação de aconchego: “so I lit a fire; isn’t it good, Norwegian wood?” Detalhe: o título original do livro é “Norway-no-Mori”, Norwegian woods. Não vá botar fogo nos bosques da Noruega, Lennon.

No enredo, que recorda ritual de passagem pós-adolescência em Tóquio-1969, sobressai sequência das histórias de cada personagem. São todos solitários, perdidos entre experiências sexuais, estudos tediosos, e vazio saturado de tristeza por amores não correspondidos: Toru que ama Naoko, que ama Kizuki, que se suicida. Midori que ama Toru, que ama Naoko, que se suicida. Preparada para ser virtuose do piano desde os quatro anos de idade, e muitas tentativas de suicídio, Reiko é como irmã para Naoko, Naoko cuja cintilante irmã – superestudante, superatleta, com paredes do seu quarto cobertas de medalhas e certificados de excelência – havia se suicidado. Hatsumi namora Nagasawa, amigo de Toru e brilhante aluno da Todai, que a humilha, maltrata e a abandona. Hatsumi se mata. Suicídio é uma fuga fácil demais para os problemas, um gesto fácil demais para ser imitado por almas fragilizadas. (Em 1970 o escritor Yukio Mishima cometia espetacular suicídio-seppuku, abalando a juventude japonesa).

images livro

Leia o restante desse texto »


Kurosawa Segundo Teruyo Nogami

3 de janeiro de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Livros e Filmes | Tags: , ,

Da leitura completa do livro de Teruyo Nogami sobre os 50 anos de trabalho com Akira Kurosawa consegue-se o retrato de corpo inteiro deste notável cineasta. A autora juntou uma série de ensaios por ela escritos para boletins do chamado Kinema Kurabu (Clube do Cinema) por anos, completou-os com entrevistas de outros membros da equipe de Kurosawa, num trabalho que demandou seis anos. A obra acabou sendo publicada em japonês em 2001 pela Bungei Shunju, editora de uma notável revista de elevado prestígio.

No Posfácio do livro, a autora informa que seria impossível com Kurosawa vivo, pois ele se manifestaria com um comentário como: “O que passei não foi nada disso. Você entendeu tudo errado”. A filmografia completa deste cineasta amplamente reconhecido no meio cinematográfico mundial começa em 1941 com o filme “Uma” e termina em 1999 com “Depois da chuva”, com 32 filmes. 19 últimos com a participação de Teruyo Nogami, desde Rashomon em 1950, que o consagrou internacionalmente, até o último.

akira_kurosawa

Leia o restante desse texto »


Chinesa Tenta Construir Uma Ponte Entre China e Ocidente

13 de dezembro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Livros e Filmes | Tags: , , ,

img-17 Lijia Zhang, uma jornalista chinesa que era operária na China e formou-se na Inglaterra, onde se refugiou depois de participar dos eventos de 1989 que marcaram os protestos estudantis naquele país, escreveu o livro “A Garota da Fábrica de Mísseis – Memória de uma Operária da Nova China”, tradução de Roberto Grey, Reler Editora, que foi objeto de um artigo da Izabela Moi no Ilustríssima da Folha de S.Paulo.

Segundo este artigo, ela pretende servir de ponte entre a China e o Ocidente, pois entende, como este site, que existem informações distorcidas de ambas as partes, havendo necessidade de um melhor entendimento recíproco, mesmo sem uma concordância com as posições adotadas de cada lado. Ela não se considera uma dissidente oficial, como o Liu Xiaobo, mas seu livro foi escrito em inglês, pois até a resenha que saiu no New York Times acabou sendo censurado na China.

Leia o restante desse texto »