Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Crescimento das Economias dos BRICs

9 de Fevereiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais | Tags: , ,

brics

O mundo acostumou-se a considerar os BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) como os países emergentes de grandes dimensões, desde a criação deste nome por uma instituição financeira internacional de respeito para designar este grupo. Admitia-se que tinham grande potencial de crescimento e que ganhariam importância maior no mundo globalizado.

Estas economias vinham correspondendo às expectativas até a crise que se abateu sobre o mundo, em fins de 2008. Uma economia foi mais afetada, a da Rússia. A China vem se recuperando de forma impressionante, mantendo um câmbio desvalorizado, e a Índia e o Brasil mantiveram uma performance razoável.

No entanto, os dados mais recentes demonstram que a Rússia continua com suas dificuldades, e a Índia ultrapassou o Brasil, estimando-se que em 2009/2010 o seu crescimento seja de 7,2%. No Brasil, as estimativas mais otimistas chegam a 6,5%, sendo 6% o mais razoável.

O FMI, por estudar todos os países, possui previsões defasadas, mas estima que a China e a Índia lideram a recuperação. Estimam, ainda preliminarmente, que a China teria crescido 9,6% em 2008 e 8,7% em 2009, prevendo-se 10% para este ano. A Índia teria crescido 7,3% em 2008 e 5,6% em 2009, prevendo-se 7,7% para este ano.

O Brasil estaria abaixo, com 5,1% em 2008 e -0,4% em 2009, prevendo-se um crescimento de 4,7% para este ano. Estes dados vêm sendo revisados para cima.

O Brasil é o país que mais valorizou o seu câmbio, facilitando as importações e dificultando as exportações. E são as exportações que criam os empregos que interessam, e sustentam a possibilidade de um crescimento de prazo mais longo. Sempre que o Brasil enfrentou dificuldades, elas decorreram das limitações das divisas geradas pelas exportações.

Todos os países exercem algum tipo de controle sobre o seu câmbio, pois sabem que é uma variável estratégica, que hoje não depende mais do comércio exterior. O volume dos fluxos internacionais de recursos financeiros é impressionante, e ele determina a taxa de câmbio. Estes recursos são volúveis, e ingressam quando permitem ganhos rápidos, como no último ano, em que suas aplicações no Brasil proporcionaram ganhos estimados em mais de 140% ao ano, em dólares, quando nos Estados Unidos foi de zero. Mas também são arredios, e ao menor susto abandonam o país com grande rapidez, tendendo a criar uma crise.

Só os investimentos estrangeiros que criam emprego e transferem tecnologias não disponíveis no Brasil é que interessam. Se medidas para este disciplinamento não ocorrerem, como diz o ex-ministro Delfim Netto, o Brasil vai continuar sendo o maior peru do mundo, fora do Dia de Ações de Graça ou do Natal…

O Brasil tem todas as condições para almejar resultados mais elevados, bastando que os seus dirigentes atuais e futuros tenham a capacidade de pensar grande, com perspectivas de prazo mais longo. Todos concordam que as nossas qualificações são as melhores entre os BRICs, não contendo problemas políticos como os da China.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: