Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Apesar da Pandemia, Cultura e Arte São Relevantes

27 de setembro de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , , , , ,

Uma matéria escrita pelo redator da equipe, Harufuji Mori, foi publicada no jornal japonês The Asahi Shimbun, informando sobre o início da operação do Museu da Cultura Kadokawa em Tokorozawa, Saitama, Japão, com a participação do setor privado e projeto ousado do arquiteto e designer Kengo Kuma. Houve adaptações para estes dias de pandemia, com ligeiro atraso no cronograma e frequência controlada do público. Mas a vida continua e a cultura clip_image002atualizada faz parte relevante de um país, contando com a ativa participação do setor privado, com a editora Kadokawa.

O Museu da Cultura Kadokawa no distrito de Higashitokorozawa-Wada, de Tokorozawa, província de Saitama, é coberto com placas de granito. “Ele representa a energia da Terra que emerge do solo”, disse o arquiteto e designer Kengo Kuma, autor do projeto. Foto constante do artigo publicado no site do The Asahi Shimbun, que vale a pena ser lido na sua íntegra

Leia o restante desse texto »


Relatos Ingleses Sobre o Brasil Colonial

13 de setembro de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , , , ,

Um interessante artigo de Bolivar Torres publicado no site de O Globo relata sobre pesquisas efetuadas por Sheila Hue e Vivien Kogut Lessa de Sá, esta uma professora da Universidade de Cambridge, transformado num livro com o título “Ingleses no Brasil: Relatos de Viagem”, editado pela Chão Editora, que reúne 12 narrativas de diversos autores, todos inéditos no clip_image002Brasil. A pesquisa recebeu o apoio da Biblioteca Nacional.

Gravura holandesa com a representação de São Vicente e Santos (1624), incluída no livro "Ingleses no Brasil". Foto: Divulgação, constante do artigo publicado no site de O Globo, que vale a pena ser lido na sua íntegra

Leia o restante desse texto »


Museu no Japão Sobre a Escrita Chinesa e Outras Relíquias

9 de setembro de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , , ,

Um artigo de elevado interesse escrito pela redatora do jornal japonês Yomiuri Shimbun, Yuriko Hattori, informa sobre o importante museu, chamado indevidamente como de caligrafia, que reúne cerca de 20 mil itens, como utensílios de bronze, carapaças, monumentos de pedra e materiais de construção, entre outros, todos com inscrições de caracteres chineses, mostrando a evolução dos ideogramas conhecidos em japonês como kanji. Este rico acervo foi reunido por Fusetsu Nakamura (1866-1943) na China e está agora no Museu Taito Ward, em Tóquio.

clip_image002

Toko Nabeshima fica em frente a materiais de construção inscritos com personagens no Museu de Caligrafia, em Taito Ward, Tóquio. Foto de Taku Yaginuma, que consta do artigo no site do Yomiuri Shimbun, que vale a pela ser lido na sua íntegra.

Em 1895, Nakamura foi para a China com Shiki Masaoka como correspondente durante a Guerra Sino-Japonesa, que terminaria logo depois. Impressionado com a cultura e a história dos caracteres chineses, Nakamura continuou viajando por cerca de meio ano pela China e outras partes do mundo e, após entrar em contato com cada vez mais materiais inscritos com caracteres chineses, tornou-se um colecionador dedicado. Tive a felicidade de conhecer parte de itens semelhantes e abundantes nos museus chineses.

clip_image004

Pedras com inscrições de ideogramas chineses, constante do artigo publicado no site do Yomiuri Shimbun.

Os caracteres gravados nos cascos de tartaruga e ossos de vaca parecem pictogramas à primeira vista, mas, após um exame mais atento, caracteres legíveis como “O” em kanji, que significa “rei”, podem ser identificados. “Dos sistemas de escrita inventados pelas quatro grandes civilizações antigas do mundo, apenas os kanji da civilização chinesa sobreviveram até hoje. Também é interessante que nós, japoneses, possamos lê-los”, disse o pesquisador sênior do museu, Toko Nabeshima.

clip_image006

Inscrições constantes de ossos indicam os primeiros ideogramas chineses.

As exposições no Museu contam como o estilo dos personagens mudou ao longo dos anos. Existem caracteres escritos em utensílios de bronze da dinastia Zhou; a escrita em pequenos selos, que foi adotada pelo primeiro imperador Qin para unificar os caracteres chineses por escrito; e a escrita da chancelaria, usada principalmente na dinastia Han. As inscrições nos epitáfios em blocos preenchidos na dinastia Tang são muito semelhantes aos kanji de hoje.

Destas escritas chinesas, muitas simplificações foram introduzidas na Ásia, como no Japão, que, além dos ideogramas, acabou usando alfabetos silábicos como os conhecidos “hiragana” e “katakana”. Na Coreia, também ocorreram simplificações semelhantes. Mas as vantagens dos ideogramas, pelos seus componentes, é que eles permitem saber o exato sentido das palavras, não gerando possibilidades de discussões de semânticas.


Yukata Que Não se Confundia Com o Quimono

11 de agosto de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , ,

A agência noticiosa japonesa Kyodo distribuiu um artigo onde diversas lojas de departamento do Japão estão vendendo yukatas, que são vestimentas leves para o verão, nos festivais ou clip_image002usados em casa, incorporando algo que se encontravam somente nos quimonos que são mais completos e com diversas camadas, custando uma verdadeira fortuna cada uma. Estão sendo usados nos eventos a distância para evitar contágios do coronavírus. 

Yukatas que incorporaram algo dos quimonos, mais coloridas, mas continuam leves para uso no verão japonês

Leia o restante desse texto »


Expectativa com a Publicação dos Originais de Carolina

29 de julho de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , , ,

Fernanda Canofre publica um artigo excepcional na Folha de S.Paulo sobre este raro e importante assunto. Na versão eletrônica disponível no site da Folha existem pouquíssimas diferenças da versão escrita do jornal. Carolina Maria de Jesus tinha, segundo o artigo, um impulso para escrever sobre o cotidiano da favela em que morava para o que tinha um talento inato. Quando ela levou para a Folha estes originais em 1941 foi informada que ela era poetisa, que pensou inicialmente tratar-se de uma espécie de doença. No bonde que tomou para voltar ao seu barraco perguntou a um passageiro o que significava poetisa e foi informada que era “uma mulher que tem pensamento poético”. Ficou mais aliviada, mas achou que não era conveniente informar isto para seus vizinhos. O artigo informa que ela escrevia para aliviar o cérebro e conseguir dormir.

clip_image002A autora Carolina Maria de Jesus ao lado do rio Tietê, em frente à favela do Canindé, onde morava quando do lançamento do seu livro “Quarto de Despejo”, constante do artigo publicado na Folha de S.Paulo, que merece ser lido na sua íntegra

Leia o restante desse texto »


Jornal de Língua Japonesa no Brasil

14 de julho de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , , , , | 2 Comentários »

Um artigo de Taichi Yamamoto, do jornal japonês Mainichi Shimbun, descreve sobre a atual luta para a sobrevivência do Nikkei Shimbun, o último em língua japonesa impresso no Brasil. Todos sabem que a imprensa brasileira, em geral, com a crise atual que se segue a pandemia do coronavírus, luta para conseguir leitores e os anúncios que os sustentam. Este jornal enfrenta também a redução dos seus leitores que hoje mal chegam a 10 mil, que são os clip_image001chamados “isseis”, ou seja, a primeira geração dos imigrantes japoneses que conseguem ler neste idioma. Os sobreviventes imigrantes japoneses estão estimados em apenas 50 mil.

Jornal Nikkey Shimbun, o último em língua japonesa publicado no Brasil, que já é uma fusão de dois outros em 1998, que tenta sobreviver

Leia o restante desse texto »


Engenheira de Zimbábue, na África, no Pódio da Fórmula Um

14 de julho de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , , , ,

Um artigo de Julianne Cerasol publicado no site do UOL informa que, por proposição de Lewis Hamilton, a Mercedes Benz resolveu diversificar a sua equipe, acabando por selecionar a nascida em Zimbábue, Stephanie Traves, de 25 anos, que conseguiu fazer dupla subindo ao honroso pódio na sua primeira disputa com o líder de sua equipe. Ela estudou química na imageUniversidade e se especializou na famosa Imperial College, de Londres. Trabalha para a empresa malaia Petronas, que fornece os combustíveis e lubrificantes para a Mercedez Benz.

Stephanie Traves, zimbábue de 25 anos, fez dupla com Lewis Hamilton no GP de Estiria, subindo ao pódio na sua primeira competição.

Leia o restante desse texto »


Pontos de Energia nas Proximidades de Tóquio

5 de julho de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias | Tags: , ,

Erika van T Veld, que escreve regularmente no Savvy Tokyo, publicou um artigo, que saiu no Japan Today, ressaltando cinco lugares na Capital e seus arredores que são muito visitados pelos japoneses e turistas estrangeiros. Além de serem considerados especiais, sempre é interessante para qualquer visitante, o que costuma acontecer também em outros lugares de diferentes países nos locais assim considerados, mas que dificilmente poderia competir com o Japão. Os mais procurados são do Santuário Hie, xintoísta, no conhecido bairro de Akasaka, com fácil acesso de qualquer ponto de Tóquio, junto a hotéis tradicionais, restaurantes e um bom comércio.

clip_image002Estes locais xintoístas costumam contar com suntuosos portais chamados “torii”, em Hie com dependências de mais de 800 anos onde os visitantes costumam depositar seus votos, e os mais frequentes são de sorte no amor, bem como casais desejando um bebê. Costumam ser lugares tranquilos, propícios para meditações, ainda que num ponto central de Tóquio.

O portal shinto de Hie Shrine, com sua escadaria, em Akasaka, Tóquio, muito visitado por ser de fácil acesso, próximo da Dieta

clip_image004O segundo lugar indicado pelo artigo é o Monte Takao, afastado cerca de uma hora do agitado centro de Tóquio. A montanha é considerada sagrada, com pontos de energia imersos na natureza. O seu salão principal, o Templo Takao Yakuo-in, abriga a divindade Tengu, uma criatura considerada sobrenatural. que além de propiciar fortuna. protege os visitantes de desastres.

A estátua da criatura sobrenatural Tengu

Também propicia sorte no romance e na harmonia conjugal. Do cume desta montanha, conta-se com uma visão do Monte Fuji, cuja vista nos dias claros é uma benção aos visitantes. Pode-se apreciar um famoso sobá deste Monte Takao.

A terceira sugestão apresentada no artigo é o Meiji Jingu, que apesar de próximo aos movimentados bairros de Harujuku e Shibuya, é também um templo xintoísta que abriga as divindades do imperador Meiji e a imperatriz Shoken. Costuma-se purificar as mãos e a boca com a água especial do local e deixar uma placa de madeira com o desejo dos visitantes. Convém explicar aos leitores que os japoneses não são monoteístas e, mesmo tendo outra religião como o budismo, oficialmente a família imperial adota o xintoísmo, na qual todas as atividades dos imperadores estão envolvidas, como parte da população.

clip_image006

                                  Os religiosos do xintoísmo costumam ser tranquilos

A natureza costuma ter um papel importante no xintoísmo, como a água que utilizam. Elas são consideradas pontos de energia potente, como os jardins e as caminhadas pelas trilhas cercadas de vegetações exuberantes.

O quinto local indicado é o Monte Fuji, que apresenta uma visão excepcional de muitos pontos do Japão. Mas existem os que o escalam, mesmo com algumas dificuldades. Acaba sendo o símbolo mais importante do país, com visões ligeiramente diferentes, dependendo de onde se veja, bem como a estação do ano.

clip_image008

                                  Monte Fuji na primavera visto do lado do lago Hakone

A escalada do Monte Fuji costuma ocorrer no verão, quando suas neves ficam reduzidas. Cada um tem a sua preferência da visão do Monte Fuji, mas só o apreciando já se sente a tranquilidade que ele transmite.

Finalmente, o artigo menciona Nikko, que é um conjunto de muitos templos construídos em épocas diferentes. O artigo selecionou o Santuário Toshigu, construído em 1617 pelo shogun Tokugawa Ieyasu, que demanda um bom tempo para ser apreciado em todos os seus detalhes.

clip_image010

Santuario Toshogu, em Nikko, construído em 1617 pelo shogun Tokugawa Ieyasu

Nikko é um enorme conjunto de templos, uns mais impressionantes que outros, e os visitantes precisam de um bom tempo para absorver toda a energia que ele emana. O recomendado é que a visita completa seja feita em muitos dias diferentes, para usufruir parte de todas as energias que lá estão presentes.


O Uso Tradicional de Máscaras no Japão

5 de julho de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias, Saúde | Tags: , , , ,

Alex Martin publica regularmente seus artigos nos jornais japoneses e o mais recente está no Japan Times, longo e profundo, usando acervos importantes do farmacêutico Tamotsu Hirai, que se referem a diversos séculos de uso de máscaras. Segundo o autor, isto explica parte do baixo nível de contaminação e mortes com a atual pandemia do coronavírus, bem como o clip_image002respeito que os japoneses têm com os demais membros da população, evitando até a transmissão de simples resfriados.

O rico acervo do farmacêutico Tamotsu Hirai sobre o uso de máscaras pelos japoneses, que explica hoje parte da baixa contaminação com o coronavirus no Japão, constante do artigo de Alex Martin publicado no site do Japan Times, que vale a pena ser lido na sua íntegra

Leia o restante desse texto »


Aumento do Consumo de Produtos Veganos no Mundo

30 de junho de 2020
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais e Notícias, Gastronomia | Tags: , , ,

clip_image002Acompanhando a imprensa mundial, observam-se as crescentes preocupações de alimentos provenientes de animais, com destaque para os suínos, com as possibilidades de novas pandemias. Mas, também, muitos produtos alimentícios industrializados possuem outros inconvenientes, exigindo cuidados nos seus usos.

Diferentes símbolos para produtos veganos no mercado

Leia o restante desse texto »