Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Importante Instituição no Intercambio Nipo-Latino Americano

20 de Março de 2011
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais | Tags: , ,

Existem algumas instituições que vêm contribuindo de forma expressiva no intercâmbio do Japão com a América Latina e uma delas é a Universidade de Sophia de Tóquio, também conhecida como a Jochi Daigaku – Universidade Católica de tradição franciscana. É uma tradicional escola criada em 1913 na capital japonesa, onde por longo tempo foi dirigida por um consagrado brasileiro, Dom Lorscheider, parente de Dom Ivo e Dom Aloísio. Dedicou-se sempre aos assuntos latino-americanos, contando com um importante curso de língua portuguesa, onde se formaram centenas de pessoas que continuam tendo um papel importante neste intercâmbio.

Um destaque é o maior brasilianista conhecido no Japão, hoje professor honorário Kotaro Horisaka, uma das fontes mais importantes no intercâmbio nipo-brasileiro. Ele é filho de um diplomata que trabalhou no Brasil ainda quando a capital era no Rio de Janeiro, onde viveu parte de sua adolescência. Voltou a trabalhar no Brasil como correspondente do Nihon Keizai Shimbum, conhecido simplificadamente como Nikkei, o importante jornal econômico japonês. Fez parte de uma equipe que elaborou um importante estudo que incrementou as relações nipo-brasileiras, chefiada por Saburo Okita, consagrado economista japonês, depois ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão.

logo_sophia imagesCARH4NNR imagesCA0VHPHP

Entre centenas de ex-alunos da Universidade de Sophia, tomo como um exemplo Rei Oiwa, que conheci no Japão, trabalhando na Jetro – Japan International Trade Organization, destinada ao fomento do intercâmbio externo do Japão. Fazia parte de um grupo de estudos sobre o Brasil que reunia alguns japoneses que tinham trabalhado neste país, e continuavam interessados nas coisas deste país tropical, principalmente a sua economia e política.

Rei Oiwa passou uma boa temporada no escritório da Jetro em São Paulo e agora retorna ao Japão para trabalhar no Ministério dos Negócios Estrangeiros daquele país, continuando a colaborar nos assuntos relacionados com o Brasil.

Como ele, existem- dezenas de ex-alunos da Universidade de Sophia que continuam trabalhando nas subsidiárias de empresas japonesas, bancos e outras organizações no Brasil, inclusive como diplomatas, pois adquiriram o domínio do português e possuem uma boa compreensão deste país. É uma demonstração concreta da importância da formação de recursos humanos no fomento do intercâmbio bilateral, que se estende pela América Latina.

É a lembrança, também, da importância dos relacionamentos humanos, pessoa a pessoa, no intercâmbio entre países. O Brasil que pretende tornar-se uma potência mundial necessita preocupar-se com o estabelecimento destes laços não só com o Japão como outros países asiáticos que estão assumindo importância mundial.

Não se inventa a roda todos os dias, e a troca de experiências entre países, sempre será um mecanismo importante de desenvolvimento até com os países que parecem distantes, com acentuadas diferenças culturais, étnicas e políticas. O Brasil, que procura se relacionar até com os países que adotam valores muito diferentes dos nossos, deve incrementar a formação de recursos humanos habilitados a compreender realidades diferentes das brasileiras.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: