Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

O Problema dos Atendimentos dos Idosos no Brasil

2 de Maio de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Editoriais, Notícias, Saúde, webtown | Tags: , , | 2 Comentários »

Intensos debates estão sendo travados nos meios de comunicação social sobre as equiparações das pessoas que estão ajudando nos atendimentos dos idosos com os empregados domésticos, diante da nova legislação, ainda que haja muitos detalhes a serem estabelecidos por uma regulamentação pragmática. O debate parece estar se tornando mais emocional que técnico e seria interessante que o assunto fosse equacionado com as experiências acumuladas em outros países. O fato inevitável é que o número de idosos no Brasil que necessitam de alguma assistência, tanto de familiares, instituições especializadas como profissionais de diferentes níveis de qualificação, é crescente, ao mesmo tempo em que os recursos humanos disponíveis para tanto tendem a se tornar escassos. Há que se adaptarem tecnologias para tanto, que já estão sendo utilizadas por países que já enfrentam estes problemas há mais tempo.

Em muitos países, como os europeus, estão sendo intensificadas as técnicas para reduzir que muitos idosos se tornem dependentes das ajudas de terceiros. Na Áustria, por exemplo, observa-se a multiplicação de conjuntos habitacionais para idosos, casais ou individuais com todas as facilidades indispensáveis para eles continuarem com suas vidas, onde todos continuam contando com algumas responsabilidades como as culturais, esportivas, de lazeres, as legais etc., de forma a evitar que fiquem desocupados acelerando o processo de sua natural esclerose. Rampas evitando escadas, banheiros que evitam quedas, luzes que se ascendem automaticamente e muitas outras facilidades são comuns.

idosos_caminhando_de_costaspopulacao-idosa1_AGITA~1

No Japão, estão sendo autorizados os trabalhos de estrangeiros que dominem o idioma local, provenientes de países emergentes para a prestação deste tipo de serviço para atendimento dos idosos. Existem alguns brasileiros que exercem estas atividades, que morando com estas famílias têm custos de manutenção mais baixos, ficando com suas remunerações disponíveis. Ao mesmo tempo, estão aumentando os robôs para alguns tipos de atendimentos mais simples, ao mesmo tempo em que muitos aparelhos eletrônicos estão permitindo o acompanhamento dos idosos à distância. Para atender suas necessidades psicológicas, existem até robôs que conversam com os pacientes, além de programarem corretamente as medicações indispensáveis.

Evidentemente, há um grande aumento para atendimento especializado destes idosos, com custos variados em todos os países. Alguns são bastante acessíveis e outros podem ser considerados de luxo, para aqueles que dispõem de recursos para arcar com os seus custos. A experiência japonesa, contando com elevado número de idosos há décadas, faz com que alguns processos acabem tendo um custo razoável, e maior número de pacientes seja atendido de forma satisfatória. Muitos idosos escolhem os seus locais de moradia em função das facilidades proporcionadas pelas comunidades locais.

O número de instituições voltadas a estes atendimentos é elevado. Existem também experiências semelhantes, como o home care, que atendem eventualmente as necessidades, dando apoio também aos chamados cuidadores que sofrem desgastes pelos longos períodos exigidos pelos idosos.

É evidente que nos países emergentes conta-se com menores recursos voltados para estes idosos. Na China, por exemplo, o número relativo destes idosos aumentou assustadoramente. Mas, dadas às limitações de instituições, os próprios idosos necessitam cuidar de si, da forma que for possível.

Não parece existir um modelo para todos os casos, pois suas necessidades são variadas. Nos Estados Unidos muitos idosos procuram as regiões onde as temperaturas são mais amenas, como no sul, procurando ocupar locais móveis, como os trailers.

Diante das limitações das disponibilidades, são incentivadas as preparações dos próprios idosos para cuidarem de suas necessidades normais, ficando somente os casos graves de saúde por conta de programas governamentais, como Medicare ou Mediaid.

No Brasil, também a preparação dos idosos para cuidarem ao máximo de suas próprias necessidades ainda parece insuficiente e seus familiares parecem não contar com condições para os seus atendimentos.

Nos casos mais dramáticos, até em países desenvolvidos, alguns idosos acabam sendo obrigados a migrar para países onde os custos de suas vidas são mais baixos. Dificilmente os valores das aposentadorias são suficientes para cobrir todas as necessidades, lamentavelmente.


2 Comentários para “O Problema dos Atendimentos dos Idosos no Brasil”

  1. ANGELA MARIA
    1  escreveu às 20:23 em 16 de Abril de 2014:

    Olá…sou acadêmica do curso de direito, estou em fase de conclusão de curso e quero fazer meu Tcc sobre os Idosos, gostaria de saber se vocês possuem algum material e que possam estar me repassando.
    Um grande abraço.

  2. Paulo Yokota
    2  escreveu às 07:25 em 17 de Abril de 2014:

    Cara Angela Maria,
    V. vai encontrar muitos materiais, inclusive neste site. Basta pesquisar.

    Paulo Yokota


Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: