Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

O Problema dos Lixos Plásticos

14 de Março de 2016
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais e Notícias, Saúde | Tags: , , ,

image1Na respeitável revista científica Science anunciou-se que uma equipe de cientistas japoneses do Instituto de Tecnologia de Kyoto, comandada por Kohei Oda, descobriu uma bactéria denominada Ideonella sakaiensis capaz de diluir o plástico do tipo Pet, uma importante descoberta que pode ajudar na eliminação destes lixos.

A Folha de S.Paulo publicou um artigo sobre o assunto, elaborado por Ricardo Bonalume Neto, aproveitando o que foi noticiado em jornais internacionais. Ainda que a seleção dos lixos seja tradicional no Japão, procurando reaproveitar todos os plásticos Pet, o mesmo não acontece nos países desenvolvidos, constituindo um desafio respeitável. Com a descoberta, espera-se que este problema seja equacionado, no mínimo em grande parte.

A equipe fez uma coleta sistemática de mais de 250 amostras de sedimentos, águas residuais ou solos contaminados por Pet, encontrando um consórcio de microrganismos capazes de se fixar no plástico para deteriorá-lo. A bactéria utiliza somente duas enzimas, uma que age na superfície do plástico e outro que promove a digestão do mesmo dentro do micróbio.

Antes da descoberta, o conhecimento estava limitado a algumas espécies de fungos, mas agora se consegue estabelecer uma estratégia ambiental viável de forma eficaz. Só em 2013, produziu-se 56 milhões de toneladas de Pet que ficavam acumuladas no meio ambiente.

Segundo o comentário do pesquisador Uwe T. Bornnscheuer, da Universidade de Greifswald, da Alemanha, o Pet foi lançado há 70 anos e mostra que as bactérias foram rápidas para absorvê-lo, o que é raro na evolução da natureza, como registrou nos seus comentários.

A humanidade é muito rápida para adicionar problemas para o meio ambiente, mas precisa de muito trabalho para resolvê-los.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: