Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Vozes Sensatas no Mundo Exagerado de Pessimismo

26 de Abril de 2016
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Economia e Política | Tags: , ,

O Foreign Affairs publica artigos mais profundos que os usuais na imprensa internacional e merecem a atenção de todos. O cingapurense Kishore Mahbubani e o norte-americano Lawrence Summers publicam um artigo sobre o mundo atual que merece reflexões.

The Future of American Power in the 21st Century: Kishore Mahbubaniclip_image002

Kishore Mahbudani e Lawrence Summers, ambos de Harvard, publicam um artigo conjunto no Foreign Affairs

Eles afirmam que o clima de grande parte do mundo é atualmente sombrio com os refugiados do Oriente Médio, os ataques terroristas, tensões geopolíticas, desaceleração do crescimento da China, as dificuldades econômicas em muitas regiões, mas o que parece estar acontecendo não são choques de civilizações, e sim, a fusão de algumas delas. Em vez de se sentir oprimido, o Ocidente deveria estar comemorando o seu sucesso em propagar a sua visão de mundo para outras grandes civilizações, segundo estes autores.

O Iluminismo do Ocidente está espalhando globalmente culturas para a resolução de problemas de forma pragmática, baseado em regras estáveis e sustentáveis, contribuindo para melhorar o mundo. A perspectiva moderna se baseia na ciência e na racionalidade para resolver os problemas, com beneficio para a população mundial. Com a União Soviética, houve choque de ideologias no passado, mas, com a economia de mercado, os chineses estão melhores que na época de Mao, ou os hindus na época de Nehru. Os trabalhadores precisam de estímulos para serem mais produtivos, levando ao aumento da dignidade e da autoestima.

A maioria da humanidade hoje é alfabetizada e está tendo acesso às lojas, metade dos adultos dispõe de um smartphone para se conectar com o mundo. A disseminação da tecnologia e ciência está ocorrendo aos trancos e barrancos, a expectativa de vida melhorou, muitas doenças estão controladas pelas vacinas.

A razão está substituindo a superstição, as avaliações estão sendo feitas comparando custos e benefícios e Harvard está mostrando um declínio dos conflitos e das violências. A pobreza está sendo reduzida no mundo, superando as Metas do Milênio, com o aumento da classe média.

O pessimismo atual decorre, segundo os autores, de turbulência no mundo islâmico, a ascensão da China e esclerose econômica e política do Ocidente. O mundo islâmico, na sua maioria, é compatível com a modernização da sociedade. Existem muitos exemplos exibindo os avanços que estão ocorrendo. Os jovens que escolhem a rebelião não são em grande número.

Os chineses continuam importando a modernidade, experimentando seu próprio renascimento cultural. O comércio internacional ajudou a China, que ainda se recusa a abraçar o liberalismo democrático, apresentando atritos com seus vizinhos e mantendo-se militarista. Não se espera que a China seja uma réplica do Ocidente. Vem promovendo fusões com o que prevalece naquela parte do mundo, segundo os autores.

No Ocidente, o crescimento lento provoca uma piora na distribuição de renda, mas o pessimismo parece exagerado. Os autores esperam que tratados como os transpacíficos tenham a possibilidade de ampliar a ordem liberal. Os autores procuram disseminar seu otimismo, entendendo que os três aspectos apontados tenham soluções.

Esperam que a China e a Índia ajudem neste processo, por terem populações numerosas com líderes fortes e reformistas, assumindo compromissos de sustentabilidade mundial. A Rússia, segundo os autores, evitou abraçar a modernidade. Eles esperam que os organismos internacionais ajudem a caminhar para esta modernidade, ainda que estejam demasiadamente concentradas nos aspectos financeiros. Os líderes políticos ajudam a convergir para as aspirações globais.

Segundo eles, as universidades de estilo ocidental estão auxiliando a disseminar este modelo liberal, ajudando a melhorar as formas de gestões para as políticas públicas. Estão conseguindo que alguns países ingressem nestas tendências. Segundo os autores, não há indicações que o mundo esteja caindo aos pedaços, mas existem indicações que o DNA ocidental está impulsionando outras civilizações.

Existem desafios, poderá haver reveses, mas segundo eles, no século XXI observam-se tendências progressivas. O que parece não ter sido observado pelos autores é que a perseguição dos valores morais não está devidamente ressaltada, e o mundo ocidental parece poder absorver de outras civilizações que a humanidade não persegue somente a melhoria da eficiência econômica, sendo que o bem-estar não decorre simplesmente da disponibilidade de facilidades materiais, havendo também aspectos espirituais a serem cultivados.

.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: