Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Um Dia Globalizado em São Paulo

30 de Janeiro de 2010
Por: Paulo Yokota | Seção: Gastronomia | Tags: , ,

shin Quando se trata de gastronomia, São Paulo conta com influências que vão do Extremo Oriente aos centros mundiais mais importantes, sem perder a sua personalidade própria. Fui ao Ceagesp com o chef Shin Koike, do consagrado restaurante japonês nesta cidade, o Aizomê, que pratica uma culinária contemporânea de fundo japonês, mas que recebeu influências modernas da França, e usa materiais brasileiros.

E acabei almoçando maravilhosamente no “Lá na Venda”, na Vila Madalena, onde a chef Heloisa Bacellar, utilizando um fundo bem brasileiro, usa o que aprendeu também na França. E ainda encontrei tempo para adquirir bons calçados alemães (caros, mas que duram décadas) no Pererê, também na Vila Madalena, bem ajustado às minhas necessidades, nada mais confortável.

No Ceagesp fomos verificar as novidades que existem no Brasil para ser aproveitado na cozinha contemporânea, pois lá se encontra de tudo que é necessário para uma boa culinária japonesa ou de qualquer origem. Na banca do engenheiro agrônomo Antonio Ueda, formado na consagrada Escola de Agronomia Luís de Queirós da Universidade de São Paulo, fomos encontrar diversas variedades de maracujás, que ele desenvolveu e cultiva. Como um tipo que tem uma casca mais escura, que pode ser utilizada para a produção de sucos, mas é menos ácido, adequado para uma culinária sofisticada. Pode ser consumido como fruta ou preparado como um saudável suco natural.

Tudo que ele produz é orgânico, não levando fertilizantes nem defensivos químicos. Tem extratos de sucos preparados, como casca de maracujá liofilizado, que parece recomendado para diabéticos. Mas a grande novidade é o Maná-cubiu, que ele adaptou da Amazônia para ser produzido em grande escala no litoral paulista. Suas características estão determinadas pelos pesquisadores do INPA – Instituto de Pesquisas da Amazônia e, entre os elementos benéficos para a saúde, é rico em Vitamina B3 (niacina), mais que na berinjela. Quem desejar mais dados, basta procurar pela Internet. Shin Koike já vem experimentando-o para usar como fruta caramelizada, pois é ligeiramente ácido.

Encontramos, também, uma verdura na forma de folhas grandes, baratas, que dizem parecer com a popular couve. Sempre vale a pena experimentar. E o Shin não conhecia a seriguela, maravilhosa fruta nordestina de sabor marcante, que ele vai testar.

Lá na Venda, a jovem, mas experiente, chef Heloisa Bacellar (o seu livro informa que ela é advogada atuante), num ambiente pequeno e agradável, prepara deliciosos pratos, utilizando o famoso e raro queijo da Serra da Canastra. Ela se aperfeiçoou na França, mas não perde o ar de quem herdou os bons conhecimentos da melhor culinária brasileira, como a de São Luís de Paraitinga, aquela que lamentavelmente foi destruída pelas águas. A Venda também tem artesanatos de bom gosto, do interior brasileiro. É um programa imperdível para quem percorre esta SOHO paulistana, onde se fica sempre com aquele gosto de quero mais…



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: