Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Novas Considerações Sobre Os BRICS

14 de Fevereiro de 2012
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, Política, webtown | Tags: , , ,

Como é de conhecimento de todos, o grupo inicialmente BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China foi acrescentado de S que seria a África do Sul, que também significa tijolo em inglês. Ele foi criado pelo Jim O’Neil da Goldman Sachs somente para designar os países de grandes dimensões geográficas, emergentes que nada tinham politicamente em comum. No artigo publicado por Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, o autor do grupo que comanda uma equipe de analistas coloca o Brasil à frente dos outros países componentes da sigla.

Eles utilizam o indicador chamado GES – Growth Environment Score (Índice de Condições de Crescimento), e informam que o Brasil vem seguido da China, da Rússia e da Índia, e não consideram a África do Sul por considerarem demasiadamente pequena do ponto de vista econômico.

091027_p14_chinagoldman-sachs-logo

Jim O’Neil, da Goldman Sachs

Eles acreditam que o Brasil possa dobrar sua renda per capta atual em torno de US$ 13.000 nos próximos 10 a 15 anos, mas vai depender muito de sua capacidade de manter o câmbio mais realista. O exagerado influxo de recursos externos, como decorrência dos juros elevados praticados no Brasil, provoca uma valorização acentuada do seu câmbio, desfavorecendo suas exportações, ao mesmo tempo em que estimula seus gastos no exterior.

Ainda que muitos analistas possam discordar, o grupo considera 13 critérios como a inflação, déficit público, taxa de investimentos, abertura comercial, penetração de celulares, de computadores, média de anos do estudo secundário, expectativa de vida, estabilidade política, cumprimento das leis e corrupção, como está no artigo.

O grupo informa que o Brasil está mais bem cotado, pois indicadores mais relevantes como corrupção, estabilidade política e educação o favorecem. O que acontece e que os demais membros do grupo estão mais fracos nestes aspectos.

Mas o Brasil vai mal na taxa de investimentos e abertura para o comércio internacional. A China precisa avançar na tecnologia e no cumprimento das leis, a Rússia na expectativa de vida, cumprimento das leis e corrupção e a Índia na corrupção, estabilidade política, educação e tecnologia. Muitos devem colocar em dúvida estas considerações.

Para o Jim O’Neil, o BRIC não deve atuar como um grupo político, pois suas posições são divergentes em diversos aspectos, e a inclusão da África do Sul não faz sentido. Segundo ele, o Brasil deveria perseguir o que a Coreia do Sul já conseguiu.

Outros países também são avaliados por estes indicadores, ainda que tenham dimensões menores e muitos não sejam emergentes. Os dados mais completos podem ser acessados diretamente no artigo da Folha de S.Paulo, que tem o título “Índice coloca o Brasil à frente de outros países do grupo Brics”, e os dados originais podem ser obtidos no Goldman Sachs.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: