Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Importância Mundial da Eleição Francesa

29 de Abril de 2012
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, Política, webtown | Tags: , , ,

imagesCAT19ISMUm substancial editorial do The Economist desta semana mostra a importância do resultado final do segundo turno das eleições presidenciais francesas entre o socialista François Hollande e o atual presidente Nicolas Sarkozy no próximo dia 6 de maio. Apesar das pesquisas de opinião indicar, até o momento, que a possível vitória seja de Hollande, a importante revista inglesa de influência internacional posiciona-se claramente contra esta candidatura, deixando explícito todos os riscos deste resultado para a Europa e para o mundo.

O editorial coloca que a metade do motor franco-germânico que orienta a União Europeia está em risco. Este motor vem superando a crise do euro, equilibrando o prudente norte e o esbanjador sul, entre os credores e devedores. Se a França for o próximo país a entrar em dificuldades na Europa, a sobrevivência do euro estará em dúvida.

Entende The Economist que François Hollande poderá receber no segundo turno o apoio de toda a esquerda, e vencer a direita e o centro. Nicolas Sarkozy tem uma montanha a superar, pois muitos franceses se posicionam radicalmente contra ele, inclusive os líderes da direita e do centro. Assim, salvo um grande choque no debate que se travará entre os dois, a vitória de Hollande poderá se confirmar, estendendo os seus efeitos nas eleições legislativas de junho próximo.

The Economist explicita que Nicolas Sarkozy recebeu o apoio da revista na sua primeira eleição, quando prometia que não tinha alternativa a efetuar as reformas que não aconteceram. Recentemente, adotou discursos protecionistas e contra os imigrantes, mas são difíceis de serem confiáveis. Então, o apoio da revista a ele não decorre dos seus méritos, mas para manter fora o François Hollande que considera mais arriscado.

Ele não é um radical de esquerda, fez parte de diversos governos moderados. Mas se posiciona contra o aperto fiscal proposto pelos alemães que dão uma oportunidade de recuperação da zona do euro. Não tem condições de proporcionar prosperidade à França e a zona do euro, colocando-os em risco segundo a revista. Seu programa é pobre, não se dispõe a efetuar as reformas necessárias.

Posiciona-se a favor da elevação da tributação e não pela contenção das despesas. Coloca-se contra a elevação da aposentadoria de 60 para 62 anos, que foi aprovada recentemente. Posiciona-se contra os negócios privados. E não apoia a austeridade no resto da Europa. Coloca-se contra a posição alemã.

A versão integral em inglês, deste editorial do The Economist pode ser acessada pelo: www.economist.com/node/21553446/



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: