Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Relatório Especial Sobre o Brasil no Financial Times

15 de Maio de 2014
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, Política | Tags: , , ,

O Brasil vem chamando a atenção do mundo por alguns motivos especiais: entre os emergentes, é um dos que vem apresentando mais problemas, com um crescimento baixo, quando era considerado de elevada potencialidade e a Copa do Mundo faz com todos fiquem atentos ao que acontece no país. É o caso do Financial Times, que publica um extenso relatório especial. Um dos artigos de destaque deste relatório foi elaborado pelo Henrique Meirelles, que foi o presidente do Banco Central do Brasil no governo Lula da Silva e por ser conhecido internacionalmente e ter executado uma política conveniente para os bancos acabou evitando problemas potenciais diante da natural desconfiança despertada pela eleição de um líder sindical dos trabalhadores. Ele ajudou com que o Brasil não sofresse uma carência de recursos internacionais, bem como os bancos brasileiros continuassem suportando a produção da economia brasileira.

Algumas críticas também podem ser feitas à sua administração que não deu a devida atenção às exportações que foram beneficiadas pela expansão mundial, quando os preços dos principais produtos exportados pelo Brasil permitiram a geração de divisas, sem que houvesse uma efetiva expansão quantitativa de produtos industriais que assegurasse a sua sustentabilidade para um processo mais expressivo do crescimento econômico. Também, na medida em que havia uma tendência clara de desvalorização do câmbio ao longo do tempo, as rentabilidades dos recursos externos aplicados no Brasil eram superiores a uma taxa de dois dígitos, sem que houvesse riscos para os aplicadores externos. Mas, no balanço, é possível afirmar-se que sua contribuição foi positiva.

mapa-brasil

O seu artigo procura ser otimista com relação ao futuro do Brasil, condicionando às reformas indispensáveis forem executadas. Procura informar que o Brasil estava mais frágil por ocasião da primeira eleição de Lula da Silva, defendendo a política que foi executada na sua administração. Lista oportunidades de investimentos como na infraestrutura sem mencionar explicitamente que há um problema de credibilidade que necessita ser superado.

Este assunto ficou por conta de um artigo elaborado por Joe Leahy, que escreve regularmente para o Financial Times, que também aborda muitos dos outros assuntos relevantes. Os escândalos envolvendo a Petrobras merecem um amplo espaço. O problema do Brasil, segundo este autor, é da política macroeconômica, que não é mais grave do que já enfrentado no passado. Haveria necessidade de dar um pontapé inicial para um novo programa, como no jogo inicial da Copa, que será da com a ajuda de uma tecnologia que auxiliaria pessoas que possuem problemas de locomoção.

Enfatiza-se que Lula da Silva conseguiu mudar a cara do Brasil, pela melhoria da distribuição de renda, ampliando a classe média capaz de consumir produtos industriais como automóveis. O Brasil, que era considerado um pais com uma população pouco agressiva, a partir dos abusos dos gastos com a Copa do Mundo, passou a enfrentar protestos populares. Haveria agora necessidade de dar prioridade para o aumento da produtividade da economia brasileira.

O problema dos protestos também está abordado num artigo elaborado por Samantha Pearson, também no Financial Times. Os manifestantes não se consideram representados no controle do poder do país, usando até da violência para chamar a atenção. Todos estão conscientes que a Copa acabará permitindo a divulgação de problemas brasileiros, mas algumas pessoas pensam que podem esconder as dificuldades.

Há um reconhecimento que o engajamento do Brasil no contexto internacional ajuda a atrair as atenções para o país. Na realidade, o relatório é tão amplo e aborda tantos problemas que necessita de um exame acurado do mesmo diretamente, ainda que esteja em inglês.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: