Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Preocupantes Problemas na Índia

13 de dezembro de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, Política | Tags: , , ,

A Índia, como é sabida por todos, é o segundo país do mundo em termos populacionais, perdendo somente para a China, e vem desenvolvendo um sistema político democrático, lutando com suas dificuldades diante de muitas diferenças internas, para obter um padrão de vida mais razoável para a sua grande população. Vinha conseguindo manter o poder político com o Partido Congresso, onde a família Gandhi sempre foi influente. O atual primeiro-ministro Manmohan Singh, que foi mais reformista, hoje com 81 anos está terminando o seu mandato, com as eleições marcadas para maio do próximo ano. Rahaul Gandhi deveria ser o candidato, mas não aparenta apetite para tanto.

Narendra Modi é o favorito para se tornar o próximo primeiro-ministro da Índia, ele que vem administrando a localidade de Gujarat, que possui 5% da população do país, contando com um núcleo apaixonado de adeptos, com um misto de eficiência econômica e nacionalismo hindu de linha dura. Ele é visto como alguém capaz de tirar a Índia de suas dificuldades atuais, que está com baixo crescimento, incapaz de criar os empregos necessários. Mas ele tem uma terrível mancha de violência em 2002, que deixou mais de mil mortos, a maioria de muçulmanos.

INDIA_(F)_0713_-_Modi

Narendra Modi

Leia o restante desse texto »


Mudança Para Pior que Acontece na Indonésia

24 de agosto de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , , , , ,

Quando conversava com um amigo que se queixava da situação em que se encontra a economia brasileira, pedindo que observasse o que vem acontecendo também no resto do mundo, ele afirmou que morava e trabalhava no Brasil. Ainda que isto seja importante em qualquer país, no atual economia globalizada, parece recomendável que tudo seja considerado relativamente ao que vem se observando no mundo, principalmente em países que apresentam semelhança com onde se vive. A revista The Economist apresenta num artigo a brusca mudança de cenário que se observou na Indonésia, este país emergente com 240 milhões de habitantes, que vinha crescendo cerca de 6% ao ano, que também está sofrendo uma desaceleração no seu crescimento, com pressões inflacionárias ascendentes.

O país que era considerado como um dos mais promissores do Sudeste Asiático, com a maior população muçulmana moderada do mundo, que conta com recursos naturais abundantes, inclusive petróleo, carvão mineral, uma política macroeconômica estável, passa a sofrer uma desvalorização cambial em decorrência do fluxo de recursos externos, depois dos anúncios que os Estados Unidos tendem a reduzir a sua flexibilidade monetária. Este problema não é isolado, e está ocorrendo em maior ou menor grau em todos os países emergentes, necessitando ser avaliado relativamente.

mapa-sumatra-map

Leia o restante desse texto »


Forma Indiana de Superar a sua Desaceleração do Crescimento

14 de agosto de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Economia, Editoriais, Notícias, Política, webtown | Tags: , , , ,

Cada país encontra suas formas de enfrentar a atual desaceleração do crescimento da economia, e a revista The Economist apresenta o caso da Índia que, como os demais países, enfrenta problemas que são comuns no mundo globalizado. Aquele país sempre contou com um excedente populacional que emigrou para o exterior, tanto países desenvolvidos como os que contavam com oportunidades para seus recursos humanos, notadamente nos seus momentos de crise. Entre os países emergentes, a Índia conta com muitos profissionais treinados internacionalmente, inclusive acadêmicos em prestigiosas universidades, como Oxford e Cambridge, no Reino Unido, do qual era colônia no passado.

O artigo do The Economist informa que a diáspora de 25 milhões de indianos é algo que precisa ser considerado. Nos tempos em que a Índia era dominada pelo Reino Unido, os indianos, principalmente bons comerciantes, se espalharam pelo Oriente e Caribe, podendo se incluir o leste da África. A segunda onda, de 1970 até meados de 1990, ocorreu quando o país era semi-socialista. No boom do Golfo Arábico e do Sudeste Asiático, seus empresários e recursos humanos bem preparados foram para estas regiões. Seus bons profissionais chegaram até o Vale do Silício. Suas grandes empresas, como a Arcelor Mittal ou a Tata, ampliaram suas atividades no exterior.

Os indianos estão também em Dubai como em Cingapura, como chegaram com sua indústria cinematográfica em Hong Kong, para suprirem as necessidades chinesas. Até nos Alpes aproveitam os cenários nevados, mais do que no vizinho e familiar Caxemira. Para os voos de longa distância, os indianos utilizam o Emirates, e para as curtas distâncias empresas de aviação da Índia. Enquanto os empresários chineses são a elite, os indianos costumam serem os empresários medianos que estão se tornando grandes. Procuram também trabalhar com joias e pedras preciosas, e procuram paraísos fiscais como as ilhas Maurício ou Dubai.

india_jpg

Leia o restante desse texto »


A Poluição na China e o seu Combate

9 de agosto de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Economia, Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , , , | 4 Comentários »

Num artigo longo e aterrorizante, The Economist informa sobre a poluição que está ocorrendo na China, bem como o seu programa de US$ 275 bilhões em cinco anos para combatê-la, que também é considerado o mais arrojado entre os diversos países do mundo. Lamentavelmente, todos sabem que a China e os Estados Unidos são os maiores lançadores de CO2 na atmosfera prejudicando todo o globo terrestre. Em janeiro deste ano, Pequim contava com 40 vezes mais de partículas poluentes que o nível considerado seguro para os seres humanos pela Organização Mundial da Saúde. Mesmo com o gigantesco programa para o seu combate, a poluição continuará aumentando no mínimo até os anos 2030, segundo as autoridades locais, mas 2040 para os analistas mais objetivos.

Estudos efetuados sobre o norte da China informam que a expectativa de vida está sendo reduzida em cinco anos e meio. Os rios estão imundos e o solo contaminado, as águas das torneiras não são potáveis, além de escassas. Enquanto os Estados Unidos e a Europa em conjunto estão reduzindo suas emissões em 60 milhões de toneladas anuais de gases efeito estufa, somente a China está aumentando em 500 milhões de toneladas, tendo passado de 10% do mundo em 1990 para 30% atualmente. 10% das terras agrícolas chinesas estão contaminadas com metais pesados, como o cádmio. O acelerado crescimento econômico obrigou a China a utilizar muita energia elétrica derivada da queima de carvão mineral, um dos mais poluentes disponíveis.

_65253310_zmiv221oBeijing-Air-Pollution

Poluição em Beijing

Leia o restante desse texto »


Dificuldade em Lidar Com os Problemas Recentes

9 de agosto de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Editoriais, Notícias, Política | Tags: , , , ,

Dois meses depois do início das manifestações populares no Brasil, parece que só é possível extrair algumas considerações genéricas sobre o que aconteceu, dada a amplitude dos problemas colocados de formas variadas. O suplemento Eu & Fim de Semana do Valor Econômico apresenta um resumo do debate promovido pelos jornalistas principalmente com alguns cientistas políticos. Só parece ser possível entender que os mesmos mobilizaram grandes massas, contaram com o apoio da população, expressaram insatisfações com o atendimento de suas aspirações e desejo de participação democrática. Foram feitos paralelos com o que aconteceu na Turquia e Egito, com o sentimento de mudanças importantes que deverão continuar, mas não se identificando como estes sentimentos serão canalizados no futuro.

De outro lado, um artigo publicado no The Economist constata a brutal queda da popularidade do governo Dilma Rousseff, mas sem que fique claramente definida qual sua consequência política nas próximas eleições presidenciais. Também constatam que os principais opositores declarados com chances eleitorais não foram beneficiados, sendo que a mais expressiva melhoria teria sido da Marina Silva, com a chamada Rede de Sustentabilidade, ainda pouco claro nas suas propostas de um programa para atender as insatisfações manifestadas popularmente.

valorKazu

Leia o restante desse texto »