Tentando aproximar a Ásia da América do Sul e vice-versa

Um Otimismo Que Não se Consegue Abater

1 de Janeiro de 2013
Por: Paulo Yokota | Seção: Cultura, Economia, Editoriais, Notícias, webtown | Tags: , , ,

O brasileiro é essencialmente um otimista, uma qualidade rara no mundo atual. Apesar do constante bombardeiro da opinião de analistas econômicos, notadamente os envolvidos com o sistema financeiro, a pesquisa da Datafolha publicada neste início do ano na Folha de S.Paulo mostra que a população continua otimista com as expectativas da economia no Brasil, segundo artigo da jornalista Patrícia Campos Mello. Os dados foram levantados em meados de dezembro último em 160 municípios brasileiros, e 44% dos pesquisados indicaram que a situação vai melhorar, e outros 38% que ela vai se manter. Somente 13% estão com a expectativa de piora. Não adianta brigar com estes dados.

Entre outras coisas, isto indica que as análises econômicas publicadas ou divulgadas pouco atingem a população, que se baseiam mais nos fatos que a cerca mais diretamente que nos dados que são divulgados. A pesquisa foi bastante ampla, com 2.588 entrevistados, e a Datafolha costuma ser cuidadosa na elaboração da amostragem, e a margem de erro é somente de 2%, não afetando os resultados. Esta tendência vem se mantendo desde fins de 2009, portanto, há três anos. Todos os gráficos estão na página A11 da edição de 1º de janeiro.

rua-25-de-marco

Consumidores invadem a Rua 25 de Março, em Sáo Paulo, nas compras de final de 2012

Diariamente, os analistas das rádios, televisões e jornais bombardeiam a população com notícias e opiniões negativas, falando das dificuldades que certamente existem. Mas não conseguem abater a grande maioria da população brasileira, como mostram os dados da pesquisa.

Este otimismo ajuda na melhoria da atividade econômica, mesmo que todos desejem que as dificuldades fossem menores. 57% dos entrevistados apresentam situações pessoais de expectativas otimistas, com 31% na mesma situação, somente com 8% piorando. Mesmo no que se refere à inflação, a expectativa de aumento é de 44% dos entrevistados, sendo 37% de manutenção da atual situação.

No que se refere ao desemprego, existe uma expectativa de melhora, estabilidade e piora agrupada entre os percentuais de 33% a 31%, que dentro da margem de erro não permite diferenciação. Mas, na expectativa quanto à evolução do poder de compra, os que pensam que melhorarão são de 39%, estabilidade para 33% e piora para 22%.

Lamentavelmente, entre os empresários as expectativas são piores, mostrando que o governo necessita contar com melhor diálogo com eles. Muitos analistas indicam que as autoridades estão somente preocupadas com a expansão do consumo, sem se darem conta que, sem o mesmo, nenhum produtor se sentirá estimulado a aumentar a sua produção. Certamente, continua havendo um problema de confiança recíproca entre o empresariado e o governo.



Deixe aqui seu comentário

  • Seu nome (obrigatório):
  • Seu email (não será publicado) (obrigatório):
  • Seu site (se tiver):
  • Escreva seu comentário aqui: